04 dezembro, 2006

Bondade x Justiça divina?

Durante uma aula na Escola Dominical da Igreja Batista da Restauração em Rio Branco, que ministrei a respeito da doutrina de Deus, suas definições e atributos, fui questionado em relação a uma suposta luta ou contradição entre a bondade e a justiça de Deus. Durante esta discussão houve um pequeno debate e uma provável heresia começou a surgir quando alguns concordaram que a Justiça de Deus, embora baseada em princípios eternos e imutáveis, sempre se inclina para inocentar ou perdoar os pecadores. Porém, baseados na Palavra de Deus, percebemos que “O Senhor é tardio em irar-se, e de grande poder, e ao culpado de maneira alguma terá por inocente (Naum 1:3a)”, dessa forma como seria possível a sua justiça negar a si mesmo? Isso é impossível, entretanto eu percebo que de fato existe algo no coração de Deus que deseja a absolvição dos pecadores, pois de que outra forma teríamos nós a garantia da eternidade ao lado do Senhor haja vista sermos pecadores e culpados por isso? Eu estou convencido pela palavra de Deus que esta inclinação se dá não pela sua justiça, mas pelo seu atributo da bondade infinita e eterna.

Mas então como entender que dois atributos de Deus poderiam estar em luta constante e ainda assim garantir que Deus continuaria um ser imutável e perfeito? Afinal de contas não pode existir perfeição num ser que luta contra si mesmo como se fosse um homem na constante disputa entre carne e espírito.

A relação Deus x homem sempre se deu através de alianças. Foi assim com adão quando Deus o criou e colocou no jardim do Éden prometendo uma vida perfeita contanto que ele permanecesse obediente e não provasse do fruto da única árvore que lhe fora proibida. Como sabemos esta aliança foi quebrada pelo homem e em conseqüência disso entrou a morte no mundo pois assim a justiça determinou. Adão não poderia ser inocentado. Porém como Deus é bom e ama a todas as suas criaturas Ele firmou novas alianças como o homem a fim de que este pudesse ser restaurado e se tornar justo e inocente para que a justiça pudesse ser executada, desta vez absolvendo-o. Porém o homem sempre quebrava estas alianças.

A bondade de Deus entra em ação, planejando uma forma para que o homem, mesmo se pecasse, pudesse cumprir uma cláusula da aliança e assim satisfazer a justiça de Deus sem necessariamente ser condenado. Deus então instituiu a aliança mosaica unindo a lei moral e a lei cerimonial. Baseado nesta aliança o homem, para satisfazer a justiça de Deus em caso de transgressão da lei moral, sacrificaria um animal sem defeitos para que este morresse em seu lugar cumprindo o princípio “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão (Hebreus 9:22)”. Dessa forma a lei cerimonial era o plano arquitetado pela bondade de Deus para que fosse possível para o pecador a garantia da remissão do seu pecado mesmo com a justiça sendo executada.

Mesmo com essa possibilidade que a lei mosaica trouxe, o homem mais um vez quebrou esta aliança, serviu outros deuses e se acostumou com o pecado a ponto de Deus declarar que estava farto de tantos holocaustos quando diz: “O boi conhece o seu possuidor, e o jumento a manjedoura do seu dono; mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende. Ah, nação pecadora, povo carregado de iniqüidade, descendência de malfeitores, filhos que praticam a corrupção! Deixaram o Senhor, desprezaram o Santo de Israel, voltaram para trás. (...)De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? diz o Senhor. Estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes. (Isaias 1:3-11)”

Mais uma vez a bondade Divina entra em ação e elabora um plano. Desta vez Deus planeja uma forma para que a justiça seja satisfeita de uma vez por todas, sem possibilidade de o homem quebrar mais uma vez a aliança. Em Jeremias o Senhor declara: “Eis que os dias vêm, diz o Senhor, em que farei uma nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá, não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, essa aliança que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior, diz o Senhor; pois lhes perdoarei a sua iniqüidade, e não me lembrarei mais dos seus pecados (Jeremias 31:31-34)”. Como sabemos esta nova aliança foi o sacrifício de Jesus, o filho unigênito de Deus, que se entregou em sacrifício, conforme determinava a lei cerimonial, satisfazendo de uma vez por todas a justiça de Deus pois “se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus vivo? (Hebreus 9:13-14)” e ainda que não foi pelo “sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção (Hebreus 9:12)”.

Concluo então que na verdade não existe esta luta entre os atributos divinos da bondade e da justiça, mas uma eterna ligação como dois parceiros que unidos fazem obras perfeitas e impossíveis, como fariam se estivessem sós, sem entrarem em conflito, mas estando em primorosa e infinita harmonia.



2 comentários:

  1. Bom dia Ruy! Eu entendi que Deus é bondoso quando nos perdoa. E è justiça quando nós nos arrependemos dos nossos pecados. Vejo que o homem tem que ter a bondade de DEus e a sua justiça para possamos nos perdoa.
    Meyre

    ResponderExcluir
  2. Exato irmã, o mover de Deus une a sua justiça e sua bondade para que haja a remissão de nossos pecados....

    ResponderExcluir

Somente comentários ofensivos serão moderados. Discordar de mim não é pecado, então discorde à vontade.