07 julho, 2009

Ué, mas você não é diferente das outras pessoas...

John Stott

“De um certo modo, os cristãos consideram esta busca de uma cultura alternativa um dos mais promissores, e até mesmo exci­tantes, sinais dos tempos. Pois reconhecemos nisso a atividade do Espírito, o qual, antes de confortar, perturba; e sabemos a quem a busca deles conduzirá, se quiserem encontrar a resposta. Na verdade, é significativo que Theodore Roszak, encontrando dificuldade para expressar a realidade que a juventude contem­porânea procura, alienada como está pela insistência dos cien­tistas quanto à "objetividade", sente-se obrigado a recorrer às palavras de Jesus: "Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?"

Mas, ao lado da esperança que esta disposição de protesto e busca inspira aos cristãos, há também (ou deveria haver) um sentimento de vergonha. Pois, se a juventude de hoje está à procura das coisas certas (significado, paz, amor, realidade), ela as tem procurado nos lugares errados. O primeiro lugar onde deveriam procurar é um lugar que normalmente ignoram, isto é, a Igreja. Pois, com demasiada freqüência, o que vêem nas igrejas não é a contracultura, mas o conformismo; não uma nova sociedade que concretiza seus ideais, mas uma versão da velha sociedade a que renunciaram; não a vida, mas a morte. Prontamente endossariam o que Jesus disse de uma igreja do primeiro século: "Tens nome de que vives, e estás morto".

Urge que não somente vejamos, mas também sintamos, a grandeza dessa tragédia, pois, na medida em que uma igreja se conforme com o mundo, e as duas comunidades pareçam ser meramente duas versões da mesma coisa, essa igreja está contra­dizendo a sua verdadeira identidade. Nenhum comentário po­deria ser mais prejudicial para o cristão do que as palavras: "Mas você não é diferente das outras pessoas!"

O tema essencial de toda a Bíblia, desde o começo até o fim, é que o propósito histórico de Deus é chamar um povo para si mesmo; que este povo é um povo "santo", separado do mundo para lhe pertencer e obedecer; e que a sua vocação é permanecer fiel à sua identidade, isto ê, ser "santo" ou "diferente" em todo o seu pensamento e em todo o seu comportamento.”

Minha opinião:

Concordo plenamente quando Stott indica um dos motivos pelos quais o jovem não busca na igreja essa tal “contracultura”: o conformismo e a semelhança que a igreja contemporânea tem com as práticas do mundo.

Todos os dias me deparo com novas, porém antigas práticas. Novas por nos surpreender a cada dia. Antigas por fazerem partes há muito tempo da vida religiosa e secular do Brasil. Triunfalismo barato, folhas de arruda, unção de animais (!?), mantos sagrados, músicas mercantilistas, etc, etc.

O pior é que nos sentimos profundamente ofendidos quando nos assemelham com os que não professam a mesma fé, mesmo nossas práticas demonstrando exatamente esta igualdade de atitudes. Não nos importa mais o evangelho genuino, o amor verdadeiro e incondicional por nossos irmãos, irmãs e por nosso Salvador Jesus Cristo. Somente damos ouvidos para pregações acompanhadas de promessas, mesmo que vazias, pois estamos preocupados demais em receber algo e nunca em dar alguma coisa. O mundo já funciona dessa forma deste a sua fundação, ele não esta precisando que a igreja de Cristo o ajude nesta “caminhada”.

A igreja precisa andar na contramão do mundo, na contracultura. A igreja precisa ser um lugar onde as pessoas sejam atraídas pelo amor, não pelas promessas extrabiblicas, pois uma vez que estas promessas não se cumprem, a decepção fica latente, e os que não se perdem nesse contexto acabam se influenciando por ele e enveredando pelo mesmo caminho. Contra o amor não há lei, contra o amor não há resistência.

A igreja precisa salgar o mundo, dar sabor, mas tem preferido se alimentar com os doces e guloseimas que o mundo oferece. Devemos ser diferentes do mundo, especialmente em nossas práticas. Voltemos ao verdadeiro evangelho de Cristo, que diz:


“Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”

E você? O que argumentaria caso lhe dissessem que você não é diferentes dos outros... ?

Ruy Cavalcante



2 comentários:

  1. É impressionante como as praticas e culturas do mundo estão associadas a vida Cristã!!
    Hj ser diferente no nosso meio é um tanto quanto complicado levando em consideração as atitudes e estratégias que as igrejas tem usado para atrair e principalmente “prender’ pessoas pra que não voltem as velhas praticas!!
    Chegando ao ponto de permanecerem cegas ao pecado exposto dentro das próprias igrejas, as pessoas não querem ser diferentes e sim melhores todos os dias, a superioridade esta embutida na sua busca pelo melhor todos os dias.
    O amor o genuíno de Cristo se perdeu quando as portas da igreja (pelo menos de muitas ) não prevaleceram contra as semelhantes praticas do mundo, chegando a adotar algumas dessas praticas dentro da igreja. A juventude de hj precisa é se assemelhar a Timóteo que quando jovem escolheu não vencer nessa vida mais vencer em Cristo para herdar a vida eterna

    ResponderExcluir
  2. Perfeita sua colocação. Espero que cada dia mais pessoas abram os olhos para essa infeliz constatação... Não temos sido diferentes do mundo.

    ResponderExcluir

Somente comentários ofensivos serão moderados. Discordar de mim não é pecado, então discorde à vontade.