18 novembro, 2011

Reflexão sobre a Carta a Diogneto


O Cristianismo surgia como uma das maiores inovações criadas na Humanidade. Revolucionava os valores conhecidos, particularmente aquele da Fraternidade ou Solidariedade de relacionamento entre os seres humanos. Considerada a "jóia da literatura cristã primitiva", a Carta de Diogneto foi escrita cerca do ano 120 d.C. Trata-se do testemunho escrito por um cristão anônimo respondendo à indagação de Diogneto, pagão culto, desejoso de conhecer melhor a nova religião que se espalhava com tanta rapidez pelas províncias do Império Romano.
****************
Trecho da Carta a Diogneto (Escrita cerca do ano 120 d.C)
Exórdio
1. Excelentíssimo Diogneto, vejo que te interessas em aprender a religião dos cristãos e que, muito sábia e cuidadosamente, te informaste sobre eles:
[...]

Os cristãos não se distinguem dos demais homens, nem pela terra, nem pela língua, nem pelos costumes. Nem, em parte alguma, habitam cidades peculiares, nem usam alguma língua distinta, nem vivem uma vida de natureza singular. (...) Habitando cidades Gregas e Bárbaras, conforme coube em sorte a cada um, e seguindo os usos e costumes das regiões, no vestuário, no regime alimentar e no resto da vida, revelam unanimemente uma maravilhosa e paradoxal constituição no seu regime de vida político-social. Habitam pátrias próprias, mas como peregrinos: participam de tudo, como cidadãos, e tudo sofrem como estrangeiros. Toda a terra estrangeira é para eles uma pátria e toda a pátria uma terra estrangeira. (...) Moram na terra e são regidos pelo céu. Obedecem às leis estabelecidas e superam as leis com as próprias vidas. Amam todos e por todos são perseguidos. Não são reconhecidos, mas são condenados à morte; são condenados à morte e ganham a vida. São pobres, mas enriquecem muita gente; de tudo carecem, mas em tudo abundam. São desonrados, e nas desonras são glorificados; injuriados, são também justificados. Insultados, bendizem; ultrajados, prestam as devidas honras. Fazendo o bem, são punidos como maus; fustigados, alegram-se, como se recebessem a vida. São hostilizados pelos Judeus como estrangeiros; são perseguidos pelos Gregos, e os que os odeiam não sabem dizer a causa do ódio. (...) A alma invisível vela no corpo visível; Também os cristãos sabe-se que estão neste mundo, mas a sua religião permanece invisível. A carne odeia a alma, e, apesar de não a ter ofendido em nada, faz-lhe guerra, só porque se lhe opõe a que se entregue aos prazeres; da mesma forma, o mundo odeia os cristãos que não lhe fazem nenhum mal, porque se opõem aos seus prazeres. A alma ama a carne, que a odeia, e os seus membros; Também os cristãos amam os que os odeiam. A alma está encerrada no corpo, é todavia ela que sustém o corpo; Também os cristãos se encontram retidos no mundo como em cárcere, mas são eles que sustêm o mundo. A alma imortal habita numa tenda mortal; Também os cristãos habitam em tendas mortais, esperando a incorrupção nos céus. Provada pela fome e pela sede, a alma vai-se melhorando; também os cristãos, fustigados dia-a-dia, mais se vão multiplicando. Deus pô-los numa tal situação, que lhes não é permitido evadir-se.
____________________________
Essa carta retrata o verdadeiro espírito e caráter cristão. Um povo que ama, que causa espanto pela maneira como perdoa seus detratores e mantém-se fiel ao seu Senhor. Um povo que não busca riquezas, mas é infinitamente rico diante de Deus, rico em obras, rico em mansidão, rico em compaixão.
É de um cristianismo assim que o Brasil precisa. Uma religião desligada do que é material, sem preocupações com poder secular, mas que demonstra um imenso poder espiritual, capaz de fazer refletir sobre o amor até o mais violento perseguidor. Um cristianismo que entende que seu reino não é terrestre, que não busca ser honrado, mas que honra a todos os que estão próximos a ele.
Que alegria sinto ao ler uma descrição tão confrontadora quanto essa. Que tristeza em saber que vivemos um cristianismo tão diferente...
Ruy Cavalcante
(Clique aqui para ler a carta na integra)



Um comentário:

  1. Grande alegria me trás esta carta,porque comenta que os cristãos primitivos era pessoas que não viviam um Evangelho Fechado e longe do mundo,mas sim esta carta comenta de Cristãos que viviam no mundo,mas não se contaminavam com o pecado,amavam os que estavam no mundo,mesmo o mundo os odiando..

    Oro para que Deus de sabedoria para os Cristãos atuais serem assim..

    http://renovacaomental-rm.blogspot.com Pra você que quer viver o Evangelho como a Bíblia diz,e não como homem pensa.

    ResponderExcluir

Somente comentários ofensivos serão moderados. Discordar de mim não é pecado, então discorde à vontade.