19 setembro, 2012

Eu disse não ao show gospel



Por Ruy Cavalcante

Há algum tempo atrás, mesmo com os olhares “atravessados” e os comentários do tipo “nada a ver”, “que exagero” ou "que besteira", decidi não mais participar de shows gospels (show evangélicos se preferir), ao mesmo tempo em que iniciei uma tímida e quase invisível campanha contra os mesmos. Eu havia decidido dizer não e na época, nem mesmo minha esposa entendia isso. 

Somente o fato de serem chamados shows, já era motivo suficiente para não passar nem próximo de lá, pelo menos em minha mente. Pagar para adorar então, para mim se tornou um absurdo, simplesmente isso não entrava mais em minha cabeça. E pensar que um dia eu já sonhei estar no palco, fazendo a mesma coisa que hoje tenho pavor. 

Bom, antes de tudo, preciso dizer que de lá para cá nada mudou, a única transformação é que me tornei ainda mais convicto desta decisão: Eu não participo mais de shows gospels. 

Definitivamente, não é isso o que o evangelho me ensina. Afora os defensores, que são milhões, não considero show gospel uma espécie de culto, não acho que seja uma forma correta de adoração, tampouco acho que a adoração deva ser fonte de lucro, de muito lucro. 

Ora, em que momento o cristianismo virou um negócio? Com base em que pagamos para que outros, apresentando-se como ministros de Deus, adorem? Com que objetivo transformamos adoradores em estrelas da música, que enriquecem às custas do que chamam de ministério? Sinceramente, é isso o que a bíblia ensina? A piedade e o serviço cristão passou, de fato, a ser fonte de lucro (1Tm 6:5)? 

Não, de jeito nenhum. O que me parece é que, na verdade, deixamos que o mundo se tornasse parte de nossa natureza restaurada. O que dantes deveria ser abolido, agora é parte de nosso cotidiano eclesiástico, e o que é pior, é considerado tão ou mais santo quando o hábito de orar, jejuar e de meditar na palavra de Deus. 

A impressão que me dá é que as pessoas acham que estão fazendo um serviço ao Reino de Deus quando pagam para ir a um Show Gospel, para muitos aquilo realmente é o máximo que fazem para Deus, por isso defendem com sangue a manutenção desta obra prima do relativismo e liberalismo cristão. 

Criamos monstros midiáticos, pessoas acima do bem e do mal, cujas palavras se tornam doutrinas e dogmas, cujas atitudes não podem ser questionadas e dos quais as canções se tornam uma apêndice do evangelho, como se fossem canonizadas pelo apelo popular (da população evangélica), quando na verdade, em sua maioria, não passam de produtos comerciais, sem conteúdo bíblico, tão pobres e estragados quanto outros sucessos seculares, como os “tchus, tchas” da malfadada cultura nacional. 

Só para esclarecer, minha critica não é simplesmente aos shows, mas à capitalização da música cristã, ao fato de havermos rebaixado a adoração a Deus a um simples negócio, muito lucrativo por sinal. Isso me enoja, o movimento gospel, especialmente o musical, me causa asco. 

Na bíblia não existiam super astros. Nem mesmo Jesus, o único de fato perfeito e digno de adoração, aceitou este papel. 

Recentemente, num show gospel em minha cidade, durante a maior exposição agropecuária do estado, milhares de jovens evangélicos se espremiam nas arquibancadas para “adorar a Deus” junto com o “ministro”. Ao final do show, na saída lateral, centenas deles se estapeavam para conseguir chegar um pouco mais próximo do cantor. Enquanto o mesmo dava “tchauzinhos”, aqueles jovens cristãos choravam, gritavam, corriam desesperadamente, pulavam a cerca e não poucos desmaiavam emocionados, sendo socorridos pelos policiais da delegacia que funcionava a 5 metros desta saída, até que ambulâncias chegassem para socorrê-los. Eu era um dos policias que tirava plantão ali. 

Isso é cristianismo? É isso que significa ser nova criatura? 

Não, isso não passa de um absurdo, e eu continuarei não alimentando isso. Além de não participar de shows, decido também não comprar mais CDs de artistas gospels, salvo daqueles que não fazem shows, que não cobram para adorar, que não se portam como estrelas, que não aceitam o papel de pop stars e que são capazes de cultuar a Deus tanto em grandes eventos cristãos, quanto na igreja da esquina, SEM COBRAR NADA por isso. 

Não me aprofundarei mais na questão por enquanto, mas gostaria de lembrar algo. 

Existiam (mesmo na bíblia) e ainda existem pessoas que são sustentadas pela obra de Deus, pela Igreja de Deus, a própria bíblia chega a incentivar essa prática e defende que “digno é o trabalhador de seu salário (Lc 10:7)”. Porém, a palavra é “SUSTENTO”, elas eram sustentadas pela Igreja, tinham suas necessidades supridas, nenhuma delas enriquecia às custas do trabalho cristão. Elas não recebiam um pagamento em dinheiro, muito menos eram pagas para adorar ou para pregar. 

Outra coisa importante é que todas as que eram sustentadas, se dedicavam integralmente à igreja, cuidando dos afazeres diários, do ensino bíblico, organizando e ministrando os cultos, resolvendo as questões entre os irmãos, aconselhando, exortando, treinando, incentivando, intercedendo e tudo o mais que envolve uma comunidade que serve a Deus. No caso dos apóstolos e líderes com mais destaques isso era ampliado sobremaneira, pois eles cuidavam de igrejas e dezenas de cidades, passando toda suas vidas de cidade em cidade, servindo a Deus. Paulo inclusive, abria mão desse direito (o de ser sustentado) para não ser pesado aos irmãos (2Co 11:9), e mesmo se dedicando integralmente, nos intervalo continuou com seu ofícios de criar tendas para adquirir seu próprio sustento (At 18:3). 

Definitivamente, Paulo era diferente do que vemos hoje: 

“Pois, nunca usamos de palavras lisonjeiras, como sabeis, nem agimos com intuitos gananciosos. Deus é testemunha, nem buscamos glória de homens, quer de vós, quer de outros, embora pudéssemos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados; antes nos apresentamos brandos entre vós, qual ama que acaricia seus próprios filhos”. (1Ts 2:5

“Eis que pela terceira vez estou pronto a ir ter convosco, e não vos serei pesado, porque não busco o que é vosso, mas sim a vós; pois não são os filhos que devem entesourar para os pais, mas os pais para os filhos”. (2Co 12:14

E então, nossos artistas gospels se encaixam nesse perfil?



7 comentários:

  1. Faço minhas suas palavras, Ruy... Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Amém Zilton, sigamos juntos não mais alimentando nem financiando esse malfadado comércio... abraço e paz.

    ResponderExcluir
  3. A paz do Senhor irmão Ruy. Gostaria de parabenizá-lo pelo pensamento, estou TOTALMENTE de acordo com você, até porque, você argumentou à luz da Bíblia. Deus o abençoe sempre juntamente com a tua família!!!!
    canindesaraiva@bol.com.br

    ResponderExcluir
  4. Paz do Senhor meu irmão, espero conseguir sempre expressar a verdade do Evangelho e não a minha.. sigamos juntos então anunciando Cristo. Abraço e paz.

    ResponderExcluir
  5. A Paz do nosso Senhor Jesus à todos.
    No começo, entendi o lado do Ruy. No trabalho delever pessoas se matando "idolatrando" os artistas, concordo sim.
    Porém, sobre enriquecer... eu achava muito errado o pastor, bispa, apóstolo, bandas, etc... ficarem ricos. Mas, estamos olhando de um lado só. Vamos olhar de outro lado. O meu filho era maconheiro e só gostava de rock, quando ele ouviu OficinaG3, amou a melodia e a letra entrou no coração e hoje é cristão.
    Quantas e quantas pessoas, jovens, idosos são cristãos pela palavra dos ricos pastores, bispos, apóstolos, bandas evangélicas... puts... não vamos nos importar se nossos irmãos em cristo se enriquecerem; vamos nos importar com as almas de nossos pais, filhos, amigos,etc, aceitarem ao nosso Senhor Jesus Cristo.
    Quantos e quantos ricos existem no mundo?
    Agora, se um ou outro evangélico enriquecer, glória à Deus.
    O que importa é que se a riqueza desses evangélicos cristãos coquistarem muitas almas pra Cristo, maior precisa ser a sua prosperidade.
    Agradeço, Dnei.

    ResponderExcluir
  6. Só não entendi qual a relação entre o seu filho ter gostado das canções do oficina, ter se convertido (não por causa das canções, pois isso é antibíblico, mas por causa de Cristo) e o oficina ter direito de receber para adorar?

    ResponderExcluir
  7. Nota mil para o texto!! Perfeito!! Estou nessa tmb!! Amém!!

    ResponderExcluir

Somente comentários ofensivos serão moderados. Discordar de mim não é pecado, então discorde à vontade.