26 dezembro, 2013

O verdadeiro testemunho cristão

Por Ruy Cavalcante

A palavra “Testemunha”, conforme nos apresenta o Novo Testamento, em textos como o de Atos capitulo 1, verso 8, tem o significado de “mártir”. Diz assim o texto:

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra” (At 1:8)
“αλλα ληψεσθε δυναμιν επελθοντος του αγιου πνευματος εφ υμας και εσεσθε μοι μαρτυρες εν τε ιερουσαλημ και εν παση τη ιουδαια και σαμαρεια και εως εσχατου της γης” (At 1:8)


Vejamos o que a wikipedia diz a respeito:

Mártir
Do grego "μάρτυς" (testemunha) tem a pronúncia (máartez) bem parecida com o português (transliterando - mártys). Já do grego “μάρτυρ” a transliteração seria mártyr.
O dicionário Michaelis define mártir como pessoa que sofreu tormentos ou a morte, pela fé cristã ou pessoa que sofre por sustentar as suas crenças ou as suas opiniões. 
Explicam alguns estudiosos que o significado que se pode extrair do texto bíblico (sereis minhas testemunhas - mártys) seria originalmente que seus apóstolos, nas palavras de Jesus, morreriam defendendo a fé, seriam mártires, pela propagação do Novo Testamento.

Durante muitos séculos, os cristãos testemunhavam de como conseguiram perseverar na fé mesmo diante de tantas perseguições e sofrimentos, ou então descreviam o testemunho de fé de irmãos martirizados por amor do Evangelho. O próprio Novo Testamento cristão pode ser considerado um testemunho de fé, e lá encontramos muitos relatos dos sofrimentos aos quais foram submetidos os apóstolos e os primeiros cristãos, testemunhos de uma vida digna, dedicada a causa de Cristo, mesmo submetidos a graves ameaças de morte, conforme o exemplo de Estevão (Atos 7), o que confirma o real significado desse termo.

Hoje muita coisa mudou. Ideologias seculares como o humanismo, especialmente em países capitalistas ocidentais como o Brasil, modificaram a cosmovisão cristã. Hoje chamamos de testemunhos cristãos qualquer coisa que tenha nos beneficiado ou que conseguimos adquirir. 

Por exemplo, testemunhamos de como Deus "nos deu" um carro, uma moto, um novo smartphone, e os outros ficam maravilhados. Quando fazemos isso no culto ouvem-se brados de vitória ensurdecedores, os olhos brilham e o coração dos outros se enchem de “fé”, mas que na verdade não passa de uma esperança de conseguir comprar os mesmos bens.

Como nós, cristãos evangélicos, somos fúteis, ignorantes e vaidosos!

E eu pergunto: Por que Deus está dando de presente tantos bens materiais para pessoas com uma vida cristã tão fraca?

Por que Ele não dá um prato de comida para as crianças que estão passando fome mundo afora, neste exato momento? Por que Ele não polpa da prisão e da tortura nossos irmãos que, neste exato momento, vivem e pregam o Evangelho de Cristo em países como a Korea do Norte, dando com seu sangue verdadeiros testemunhos cristãos?

Por que ele não deu de presente para nossos irmãos queimados na fogueira por pregarem a verdade, durante a idade média, uma morte menos dolorosa?

Não, no lugar de fazer isso ele nos dá carros, motos e celulares. Justamente para nós, evangélicos brasileiros, que vivemos num mundo paralelo, como se o centro do universo fosse nosso próprio umbigo. Crentes que por um beliscão negariam a cruz.

Somos uma raça tão fraca, tão imbecil, que reduzimos a Graça de Deus a bens materiais. Uma cambada de crentes que vive de fantasias, mal sabendo que o final será bem diferente daquelas reproduzidas pelos filmes de Hollywood, pois é um conto de fadas sem final feliz.

Não estou com isso negligenciando o fato de que devemos tudo o que temos e somos a Deus. Devemos sim dar graças a Deus por tudo, mas esse humanismo que vivemos aqui no Brasil é uma afronta ao evangelho, e mais ainda, uma afronta aos nossos irmãos que morreram buscando essa liberdade que hoje temos, e que a temos por causa do sangue deles.

Que se deem testemunhos reais de Cristo, de sua morte, da negação do eu e da transformação do coração humano, e deixemos que aqueles que amam o dinheiro falem e exaltem os benefícios que ele pode comprar.

Mas se você, querido irmão, for um destes, a ponto de mistura-los com a Graça, misericórdia é do que você precisa, não de carros...



19 novembro, 2013

Uma geração de crentes com sede de vingança

Por Ruy Cavalcante

O salmo 23 é um dos textos mais lidos de toda a bíblia. Há irmãos que nunca leram um único livro completo, mas já leram o salmo 23. Há outros que sequer abriram a bíblia noutra página, pois ela permanece na estante, aberta no salmo 23.

É muito fácil explicar a razão por este salmo ser tão lido e querido: Ele nos coloca pra cima, nos dá garantia de conforto em Deus, fala de socorro e prosperidade.

Há também algo bem interessante expresso nesse salmo, algo que inspira canções e influencia boa parte da atual geração de crentes. Ele diz assim:

Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos. Tu me honras, ungindo a minha cabeça com óleo e fazendo transbordar o meu cálice”. (Sl 23:5 – NVI)


Obviamente a bíblia não se contradiz e esse texto está perfeitamente em sintonia com seu contexto. Em tempos da Lei, como bem sabemos, imperava a justiça, pois a Lei é justa.

Dessa forma, ao ser ferido, era justo que meu agressor sofresse o mesmo dano. Ele que se exilasse caso desejasse livrar-se da minha justa vingança. Olho por olho, dente por dente.

Além disso, os inimigos de Israel, à medida que esta nação permanecia fiel, eram derrotados pelas mãos de Deus, humilhados e despojados. Nisso tudo a Soberania de Deus era revelada, e era justo.

É disso que fala o salmista. Seus inimigos seriam ridicularizados enquanto ele seria abençoado com um banquete e prosperidade. Nesse contexto, seus inimigos estavam em estado de afronta contra Deus, por se levantarem contra seu povo, e por isso recebiam a justa punição.

Esta questão de “amigos” e “inimigos” de Deus, no AT, é mais complexa que isso, mas tento aqui apenas tornar mais claro o que começo a dizer a partir de agora.

Enfim, com Cristo algo acontece. A misericórdia de Deus que sempre foi perfeita, se apresenta encarnada em Cristo. O justo morrendo pelo pecador. Deus perdoando aqueles que não mereciam perdão, pela sua Graça, de graça, por amor incondicional. 

Diz a bíblia que:

Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos”. (Ef 2:4-5 – NVI)

Entenda bem o que isso significa: Nós, que éramos inimigos de Deus, rebeldes, impuros, amantes de tudo que era contrário a Deus, fomos por Ele perdoados sem que déssemos a mínima para isso! Ele não poupou seu Único Filho para que nós, sendo ainda pecadores, pudéssemos ser perdoados e salvos!

E o que Jesus fala a respeito de nossos inimigos? Ele por acaso ensina que reivindiquemos vingança? Ou que oremos a Deus pedindo juízo? Quem sabe um súplica para que Deus os ridicularize em nossa presença, como vemos ensinado em algumas canções? Bem, para tirar a dúvida, Cristo está com a palavra:

"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos. Se vocês amarem aqueles que os amam, que recompensa receberão? Até os publicanos fazem isso! E se vocês saudarem apenas os seus irmãos, o que estarão fazendo de mais? Até os pagãos fazem isso! Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês". (Mt 5:43-48 - NVI, grifo meu)
Mas eu digo a vocês que estão me ouvindo: Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam, abençoem os que os amaldiçoam, orem por aqueles que os maltratam. Se alguém lhe bater numa face, ofereça-lhe também a outra. Se alguém lhe tirar a capa, não o impeça de tirar-lhe a túnica”. (Lc 6:27-29 - NVI, grifo meu)

Paulo acrescenta:

Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou”. (Cl 3:13 - NVI, grifo meu)

E como foi que o Senhor nos perdoou? Sem merecimento. Nós não merecíamos o perdão de Deus!

Como pode então agora, em plena Graça, tendo recebido tão grande amor, misericórdia e perdão, nós venhamos desejar a ruína de nossos inimigos? Como podemos agora pedir a Deus que faça vingança, que os ridicularize ou que traga juízo sobre suas cabeças?

Não! Esse não é o espírito do verdadeiro cristão! O cristão perdoa! O cristão suplicada a Deus que tenha misericórdia de quem o ofende!

Que parada é essa de eu estar no palco sendo aplaudido pelos meus inimigos? Que história é essa de Deus preparando uma mesa para mim perante meus inimigos? Estamos loucos? Esquecemos como fomos perdoados?

O mínimo que se espera de qualquer cristão é que ele também perdoe seus ofensores. Foi esta a oração que Jesus nos ensinou, que Deus nos perdoe “Assim como perdoamos nossos inimigos”.

Já imaginou se Deus resolvesse nos perdoar conforme nós perdoamos as outras pessoas? Seriamos fulminados!

Irmão, fuja dessa sede de vingança, isso não condiz com o espírito cristão, pois no final de tudo, considerando todas as coisas, o que nos fará sermos reconhecidos como discípulos de Cristo é o amor que temos pelas outras pessoas (Jo 13:35).

Lembre sempre que nossos inimigos não são as pessoas e peça misericórdia, não juízo, e deseje o bem, não o mal, e busque comunhão, não a afronta.

Que Deus continue tendo misericórdia de todos nós.



12 novembro, 2013

Plantando limões não se colhem morangos

Por Ruy Cavalcante

Ouço muito em pregações modernas, especialmente aquelas que duram horas falando de dinheiro (o que por si só já é absurda), declarações do tipo: Como você espera colher morangos se plantou limão?

Obviamente falam isso numa referencia ao plantio das “melhores sementes” (leia-se ‘muito dinheiro’) para que Deus nos faça prosperar, ou para que nos abençoe em outras áreas ligadas a nossa vida terrena.

Gostaria de me apropriar dessa ideia sobre plantar algo e esperar colher um produto diferente, acho que ela pode vir a calhar. Ficaria então assim a questão:

Como esperamos formar cristãos, se o que pregamos para eles não é o Evangelho de Cristo?

Façamos um exercício mental para tentar fundamentar, ainda que empiricamente, o que estou tentando dizer. A igreja evangélica cresceu de forma exponencial na última década, ultrapassando, já em 2010, a faixa de 42 milhões de evangélicos. Eu então pergunto: Você consegue lembrar rapidamente de alguma notícia ou de algum impacto positivo dentro da sociedade brasileira, em consequência desse crescimento? Alguma transformação real ou melhoria social ocasionada pelo número cada vez maior de pessoas que professam a fé cristã evangélica? Não estou falando de coisas pontuais, isoladas, estou falando de uma notícia de relevância nacional, estadual ou mesmo municipal, de um benefício real para a sociedade brasileira, você consegue lembrar?

Agora o inverso disso. Você consegue lembrar de algum impacto negativo, uma notícia ruim de grandes proporções, que de uma forma ou de outra tenha afetado uma parte considerável da sociedade, envolvendo evangélicos? Um escândalo político de grandes proporções envolvendo evangélicos, ou a notícia de desvios de grandes quantidades de dinheiro de instituições religiosas, ou de casos crescentes de pedofilia ou coisas afim?

Não sei você, mas eu só consigo lembrar de exemplos dessa segunda indagação. À minha mente só chegam memórias negativas quando se limita a questão a notícias de grandes proporções. Em questões pontuais, pela graça de Deus, há muitos bons exemplos de cristãos e igrejas (geralmente pequenas congregações evangélicas) Brasil afora.

Pois bem. No capitulo 10 de carta de Paulo aos Romanos, o apóstolo fala a respeito dos israelitas e de como eles, apesar de sinceros, tem buscado a Deus a partir de uma justiça humana, ineficaz, quando na verdade Cristo é a justiça de Deus, e apenas a partir da fé nele é que pode haver verdadeira justificação. Ele então pergunta: Mas como crerão se não há quem pregue?

E eu pergunto: Quem pregue o quê? Prosperidade? Curas? Dons? Milagres? Sinais?

Não! Paulo se refere à pregação da cruz! É somente através da pregação do Evangelho genuíno, de Cristo crucificado, do sacrifício substitutivo, do arrependimento do pecado e do perdão, é que alguém poderá ser alcançado pela Graça, se assim Deus desejar.

O Evangelho é o poder de Deus para salvação, o Evangelho da Cruz, diz Paulo aos mesmos Romanos, no capitulo 1. Não se formam cristãos regenerados pregando sobre bens materiais. Pessoas não são transformadas quando ouvem sobre milagres. Não há restauração de caráter para quem aderiu a uma igreja evangélica por meio de uma pregação sobre bênçãos ou sobre promessas individuais.

Essa transformação é gerada a partir da fé genuína em Cristo, e essa fé vem do ouvir a Palavra de Deus. Note que quando Paulo afirma isso, no capitulo 10 de Romanos, verso 17, o contexto deixa claro que ele se refere ao Evangelho, não a qualquer ensino sobre questões alheias a cruz.

Qual a consequência disso tudo?

Simples. A igreja evangélica, não obstante seu crescimento massivo, não tem conseguido ser sal, muito menos a luz do mundo, pois esse crescimento é ilusório, produzido por “agrotóxicos” que no lugar de dar vida, destrói a vida de quem ingere seus ensinos, ainda que acreditem estar ingerindo alimentos de qualidade.

Por isso tantos escândalos e quase nenhum impacto positivo para o Brasil advindo desse crescimento. Por isso tanta chacota contra a igreja, por isso tanta afronta. A própria igreja (igreja institucional) tem alimentado esse sentimento de ojeriza contra evangélicos. Não somos tão vítimas como muitos líderes tentam nos fazer acreditar.

Graças a Deus, como sempre faço questão de lembrar, existem exceções. Graças a Deus pelos que não se dobram a baal, pelos milhares de irmãos e irmãs, geralmente anônimos, que honram o Evangelho de Cristo e o Deus que nos salva, que agem como servos, que buscam o benefício de outros e não apenas de si mesmos, que levam o nome de Jesus gravado em seus corações, que possuem uma conduta cristã genuína, que buscam o Reino ainda invisível de Deus!

Voltemos então ao Evangelho, anunciemos em tempo e fora de tempo, para que ouçam e conheçam a Jesus, ainda que estejam com grossas escamas nos olhos.

Deus abençoe a todos.



31 outubro, 2013

31 de Outubro, Dia da Reforma Protestante.


Hoje, dia 31 de Outubro, comemora-se o 496º aniversário da Reforma Protestante. Aproveito então a oportunidade para conclamar a Igreja Verdadeira e invisível de Cristo a retornar aos princípios básicos do Evangelho, uma vez que estamos vivendo um momento onde este tem sido substituído por doutrinas espúrias, que negociam a Graça de Deus, e a colocam sob a tutela de coisas perecíveis, mundanas e terrenas como o dinheiro.

Dessa forma reafirmo as Cinco Solas do protestantismo, orando para que os amados irmãos se submetam única e exclusivamente ao Verdadeiro Evangelho de Jesus, agora, e sempre, independente dos resultados que essa decisão possa causar.

Segue a Declaração de Cambridge, onde constam as Cinco Solas:

1 – SOLA SCRIPTURA

Reafirmamos a Escritura inerrante como fonte única de revelação divina escrita, única para constranger a consciência. A Bíblia sozinha ensina tudo o que é necessário para nossa salvação do pecado, e é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado.

Negamos que qualquer credo, concílio ou indivíduo possa constranger a consciência de um crente, que o Espírito Santo fale independentemente de, ou contrariando, o que está exposto na Bíblia, ou que a experiência pessoal possa ser veículo de revelação.

2 – SOLO CHRISTUS

Reafirmamos que nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediatória do Cristo histórico. Sua vida sem pecado e sua expiação por si só são suficientes para nossa justificação e reconciliação com o Pai.

Negamos que o evangelho esteja sendo pregado se a obra substitutiva de Cristo não estiver sendo declarada e a fé em Cristo e sua obra não estiver sendo invocada.

3 – SOLA GRATIA

Reafirmamos que na salvação somos resgatados da ira de Deus unicamente pela sua graça. A obra sobrenatural do Espírito Santo é que nos leva a Cristo, soltando-nos de nossa servidão ao pecado e erguendo-nos da morte espiritual à vida espiritual.

Negamos que a salvação seja em qualquer sentido obra humana. Os métodos, técnicas ou estratégias humanas por si só não podem realizar essa transformação. A fé não é produzida pela nossa natureza não-regenerada.

4 – SOLA FIDE

Reafirmamos que a justificação é somente pela graça, somente por intermédio da fé e somente por causa de Cristo. Na justificação a retidão de Cristo nos é imputada como o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus.

Negamos que a justificação se baseie em qualquer mérito que em nós possa ser achado, ou com base numa infusão da justiça de Cristo em nós; ou que uma instituição que reivindique ser igreja mas negue ou condene sola fide possa ser reconhecida como igreja legítima.

5 – SOLI DEO GLORIA

Reafirmamos que, como a salvação é de Deus e realizada por Deus, ela é para a glória de Deus e devemos glorificá-lo sempre. Devemos viver nossa vida inteira perante a face de Deus, sob a autoridade de Deus, e para sua glória somente.

Negamos que possamos apropriadamente glorificar a Deus se nosso culto for confundido com entretenimento, se negligenciarmos ou a Lei ou o Evangelho em nossa pregação, ou se permitirmos que o afeiçoamento próprio, a auto-estima e a auto-realização se tornem opções alternativas ao evangelho.



19 setembro, 2013

Proselitismo integral

Por Ruy Cavalcante

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o tornais duas vezes mais filho do inferno do que vós”. (Mt 23:15)

Segundo o dicionário Vine, prosélito (do grego προσήλυτος/proselytos) significa “estranho”. Há várias definições para esse termo, porém todas elas indicam, resumidamente, alguém que, apesar de ser estranho, desconhecido, sem identificação, se torna adepto de outra visão (ideologia, religião), abandonando as suas convicções. Esse termo indica muitas vezes os peregrinos que aderiam à religião judaica nos tempos bíblicos, por força das circunstancias.

Na perspectiva indicada por Cristo no texto acima, eu faço um prosélito quando convenço alguém a ser meu discípulo, através dos mais variados argumentos, contrariamente ao que a bíblia determina: fazer discípulos de Cristo, atraídos pela Graça de Deus, onde esta, por sua vez, é ministrada a eles pelo Evangelho de Jesus.

Há poucos dias atrás debatíamos eu e meus colegas, do curso de Ciências Sociais, sobre sociedade e religião. Como é comum nesse tipo de ambiente acadêmico, especialmente em cursos de ciências humanas, a maioria dos argumentos são contrários a influencia da igreja nas questões sociais (a maioria não entende a diferença entre Igreja santa, imaculada, e igreja instituição, conjunto de crentes que professam ser cristãos).

Infelizmente tudo o que o professor e alguns alunos falavam sobre a igreja, de forma negativa, era verdade. É fato que boa parte dos nossos representantes, especialmente os que enveredam pelos campos da política partidária, são corruptos ou corruptíveis. É fato que a igreja evangélica não tem conseguido dar um bom testemunho para os de fora, pelos motivos já expostos aqui no blog. Mas me chamou a atenção os argumentos de uma colega, que embora não fosse cristã evangélica, defendia a igreja.

Ela dizia que apesar do que se diz, a igreja tem sim atuado de forma muito positiva, pois ela mesma é testemunha de diversos eventos sociais promovidos por igrejas, nos mais variados bairros de Rio Branco, coisa que também deve acontecer noutras cidades Brasil afora.

Bom, apesar de eu mesmo ser cristão evangélico, pessoalmente concordo com ela apenas em partes. Poucas partes. 

Realmente muitas igrejas têm atuado em questões sociais. Por vezes promovem distribuição de “sacolão” e roupas para famílias carentes, sopas para desabrigados, e em alguns casos até cursos gratuitos para pessoas carentes. Porém, numa análise um pouco menos superficial, podemos perceber facilmente que, na maioria das vezes, a intenção é fazer prosélitos.

Muitos dos casos que vivenciei, quase todos pra ser mais sincero, são de crentes que estavam mais preocupados em levar pessoas para suas igrejas, para o crescimento de seus respectivos ministérios. Pouquíssimos estavam realmente preocupados em mudar a realidade social daquelas famílias. E o que é pior, mesmo para estes que tentam “ganhar para a igreja”, não lhes é anunciado o Evangelho. 

Creio que a igreja deve sim realizar uma missão integral, cuidando de anunciar o Evangelho enquanto busca de todas as formas ajudar na solução dos outros problemas que assolam o indivíduo, das questões sociais, do socorro ao necessitado (Tg 2:15-16). Mas o fundamento para tudo isso deve ser o amor e o desejo genuíno de que Deus possa salvá-los, ainda que jamais pisem em nossos templos.

Mas não é isso que tem acontecido, pois até mesmo quando fazemos o bem, temos outras intenções, queremos ser beneficiados com isso. Em última instancia o objetivo é sempre que nossa igreja cresça em números, seja destaque entre as outras, pois já esquecemos há muito tempo a quem a Igreja de fato pertence.

O que fazemos é proselitismo e não evangelismo. Convencemos as pessoas a aderirem a nossa visão, a nossa denominação, seja através de uma ajuda com segundas e terceiras intenções (a exemplo dos projetos sociais do PT, como a bolsa família, puramente eleitoreira), seja através de promessas enganosas. Dessa forma fazemos discípulos de nós mesmos, com a nossa visão e identificados com a nossa denominação, mas com nenhuma identificação com Cristo. O destino delas será o mesmo que o nosso, caso não haja arrependimento por essa prática maligna, pois serão estranhos, desconhecidos por Cristo (Mt 25:12).

Graças a Deus que há sim exceções! Na verdade sempre haverá aqueles que não se dobram a baal, que agem por amor a Deus e a sua Palavra, que continuam desejando ser sal e luz do lado de fora de seus templos, e que não buscam apenas o proveito próprio (I Co 10:24). 

Essa é a verdadeira Igreja de Cristo, que cumpre seu papel social por entender que foi chamado para as boas obras (Ef 2:10), sem esperar nada em troca, pois sabe que o que existe de maior valor já lhe foi entregue na cruz, de graça, pela Graça, restando agora tão somente servir a Deus e ao próximo. Esse é o verdadeiro corpo de Cristo, que não abre mão da verdade, que anuncia o Evangelho verdadeiro, ainda que isso não tenha como consequência o reconhecimento dos homens.

É dessa Igreja que quero ser parte, reconhecida pelo amor (Jo 13:35), que tem a marca da cruz e que faz tudo por Jesus, pois sabe que para o cristão até a morte é lucrativa.

Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. (Fp 1:21)



17 setembro, 2013

Crise ética na igreja evangélica

Por Ruy Cavalcante

Em minha graduação em teologia, meu professor de ética pastoral era contra sistemas éticos (não me perguntem por que ele era o professor, realmente não entendo até hoje). Ele considerava que a ideia de se ensinar sobre ética cristã, ou qualquer outra, trata-se tão somente de um doutrinamento, uma forma de limitar a liberdade do indivíduo. Para ele não havia diferença entre ética cristã, usos e costumes e autoritarismo.

Bom, talvez sua aversão à ética explicasse suas atitudes em sala de aula, por vezes esbravejando e proferindo ofensas quando se sentia incomodado, intempestivo, além de algo curioso: ele aparentava odiar cestos de lixo, pois sempre que perdia a linha, chutava-o com violência. Não à toa seu apelido entre nós do fundão era “chuta-balde”. 

- Silêncio, lá vem o chuta-balde. Murmurava o líder da classe (rsrs).

Discordo solenemente do posicionamento do caro professor. Pessoalmente penso que a antipatia aos princípios da ética cristã é, na verdade, fruto do relativismo moral em que nossa sociedade vive, pelo qual a igreja se permitiu contaminar. E não é de se admirar, pois conforme venho denunciando continuamente aqui mesmo no Blog, nas redes sociais, e por onde o Senhor me leva, a igreja (não a Igreja santa e imaculada, mas a conglomeração de crentes) vem se afastando gradativamente das verdades bíblicas, ocasionando que os recém “convertidos” se desenvolvam sem conhecer valores como a honestidade, verdade, sinceridade, integridade e abnegação em favor do próximo. 

Humanismo, antropocentrismo e hedonismo são princípios que tem norteado a vida de muitos daqueles que professam ser cristãos, transformando a ética apenas numa “armadilha” para que eles não alcancem seus objetivos egoístas. Nada poderia ser mais contrário ao Evangelho de Cristo.

Ao bem da verdade, ética cristã não é algo que se possa ensinar em livros ou através de artigos como este, pois trata-se de uma consequência direta da santificação do crente, obra esta que é executada por Deus (Fp 1:6), em todos, absolutamente todos, aqueles que foram alcançados por sua Graça, a ponto de se tornarem de fato, cristãos. Não há relativismo nem meio termo aqui, ou sou cristão, e mediante isso tenho ética, ou o fato de não possuí-la revela que não sou cristão. 

Dessa forma, a ética cristã é sim uma lista de regras, porém não escritas em livros, nem talhada em pedras, mas escrita na mente e no coração daqueles que foram regenerados (Jr 31:33). Não tento aqui ignorar que fora do cristianismo existe ética, sobre isso a explicação é simples: Graça comum (Tg 1:16-17). Em outra oportunidade falaremos mais sobre esse tema.

Enfim, a igreja evangélica vive uma grave crise ética. A todo instante lemos e ouvimos notícias de escândalos dentro da igreja, ou praticada por aqueles que dela fazem parte. E o pior é que muitos sequer dão-se conta disso, consideram um quadro normal, culpam o diabo, mas nunca assumem a própria responsabilidade. Relativizam o pecado, blindam de criticas os líderes carnais e hedonistas. Ensinam o erro deliberadamente.

A solução é o que muitos irmãos (porém poucos, se comparados a quantidade total de evangélicos) já têm apresentado mundo afora: Voltar ao Evangelho Puro e Simples. É sendo alcançado pelo Evangelho de Cristo, puro, santo e perfeito que o ser humano será liberto de seu próprio mal, o que o tornará apto a vencer o pecado e agir como cristão santo, ético, restaurado e disposto a ser sal e luz para os de fora, para aqueles que mesmo sem conhecer, tem sede de Cristo, mas que não tem tido oportunidade de ter essa sede saciada, pois estamos preocupados demais com nosso próprio bem estar.

As cinco virgens prudentes alertam as que estão loucas: Acordem! Encham de azeite suas lâmpadas! O noivo está próximo!

Que Deus tenha misericórdia da igreja evangélica.



03 setembro, 2013

Movimento "Voltemos ao Evangelho Puro e Simples" na Expo Gospel Acre


Por Ruy Cavalcante

No último final de semana foi realizado a 3ª Expo Gospel Acre, evento inspirado na Feira Cristã de São Paulo, e que toma dela também o seu caráter puramente comercial. Durante algum tempo vinha pensando o que eu poderia fazer em favor da “conspiração” que decidi participar, em favor do Evangelho Puro e Simples, com o tema “Voltemos ao Evangelho”, movimento este que conta com a participação de vários irmãos Brasil afora, muitos dos quais considero verdadeiros amigos, embora estejamos a milhares de quilômetros de distância, donde destaco os mineiros, sem citar nomes para não ser injusto, pois todos tem me ajudado bastante com conselhos, inspirações, orações e exemplos.

Infelizmente os irmãos que vinham me acompanhando nessa luta por aqui estão (espero que momentaneamente) impedidos por questões de cunho pessoal, o que dificultou ainda mais os planos para a realização de protestos e esclarecimentos referente ao Evangelho de Cristo.

Pois bem, pensei então em vestir minha camiseta do movimento, me munir de uma câmera emprestada, e ir pra lá na esperança de ser indagado por alguém, e começar a falar a respeito de tudo o que tem afrontado as verdades do Evangelho, de como eventos como esse fomentam essa deturpação, quem sabe receber um empurrão, um pescotapa e virar mártir (rsrs bricadeirinha).

Foi então que a faculdade de teologia onde leciono, aqui mesmo em Rio Branco, propôs aos organizadores do evento a realização de um debate, com o tema “Igreja e Sociedade, desafios para o século XXI”, para discutir sobre o que a igreja pode fazer em beneficio da sociedade de maneira prática, e o porquê de não estar conseguindo fazer isso. A ideia foi aceita, entretanto os organizadores não permitiram que a faculdade escolhesse os preletores, tomando para si essa função. Por motivos óbvios, eles convidaram apenas políticos da bancada evangélica para participar da mesa e responder as perguntas dos inscritos no debate.

Claro que eu me inscrevi, e comecei a elaborar perguntas que pudessem trazer a discussão para o que eu considerava cerne da questão, que é o fundamento pelo qual boa parte dos evangélicos tem “aderido” à igreja cristã, o falso evangelho da prosperidade, do triunfalismo barato, do medo e dos sinais, doutrinas estas que não tem poder algum contra o pecado, e que causam esse estado de letargia na igreja cristã, tornando-a estérea e incapaz de transformar a realidade espiritual e social (no quesito cidadania) sequer de seus próprios membros, que dirá da sociedade em geral.

Mas Deus tinha outros planos.

O debate estava agendado para a sexta feira, dia 30 de agosto, às 19:00hs. Por volta de 17:30, uma hora e meia antes do evento, eis que o diretor da faculdade me liga, dizendo que dos três preletores, dois estavam viajando e sequer comunicaram aos organizadores. São eles a Missionária e Deputada Federal Antônia Lúcia Camara, e o Pastor e Deputado Estadual Jamyl Asfuri. Somente o Pastor e Deputado Federal Henrique Afonso confirmara a participação. O diretor me disse que havia tentado contato com algumas pessoas, a fim de que composse a mesa em substituição aos faltosos, sem êxito, e que por isso estava me ligando, pedindo que eu “quebrasse esse galho”, participando do debate como um dos preletores. Claro que eu aceitei.

Rapidamente juntei alguns textos e informações, e me preparei pra responder as perguntas que eu mesmo havia elaborado, só faltava pensar numa forma de ser indagado sobre elas, ou de introduzir este assunto.

Bom, como todo seminário e/ou debate envolvendo político, houve muita embromação, mas me surpreendi positivamente com o posicionamento do Deputado Henrique Afonso, pois além de não soltar as pérolas doutrinárias costumeiras nesse tipo de situação, também não tentou transformar o debate em palanque, fica então registrado meu elogio a ele.

Entre uma fala e outra, ele levantou a bola, sem goleiro, e disse chuta! Isso aconteceu quando ele, ao falar sobre os motivos pelo qual a igreja não tem conseguido exercer bem seu papel social, afirmou que isso se dava pelo fato de ela vir sofrendo muitos ataques externos, tanto filosóficos quanto políticos. Ao término de sua defesa, pedi a palavra e chutei a bola, ou seja, falei que esse problema existe, mas o fundamento é outro.

Daí claro, parti para a defesa do Evangelho, tentando também mostrar que essa letargia é gerada por nós mesmos, ao fazer do evangelismo uma simples estratégia proselitista, formando crentes não moldados pelo evangelho verdadeiro, identificados com a igreja, mas não com Cristo, desejosos de se dar bem, mas não de fazer o bem, consequência direta do “evangelho” da barganha que tem sido oferecido a eles. Isso também explica o porquê de haver evangélicos figurando em praticamente todos os escândalos políticos no Brasil, dentre tantas outras questões. Empolguei-me, falei tudo, falei alto, parecia o Marco Feliciano quando o som do teclado acelera J.

No início estava bem apreensivo, confesso, com dor de barriga inclusive. Achei que seria convidado a me retirar, mas nada disso aconteceu. As pessoas gostaram do que ouviram, me parabenizaram, bateram palmas. Ao final fiquei mais de uma hora em conversa informal com alguns dos presentes, que me indagavam sobre vários assuntos apologéticos. Recebi convites para outros debates, inclusive para uma tribuna cristã, que o Deputado diz ocorrer na Assembleia Legislativa, algo que eu tinha total desconhecimento.

Mas isso não me deixa feliz. Já recebi palmas outras vezes, em outros locais, por causa do mesmo discurso. Já recebi convites, tapinha nas costas, já pediram meu telefone, meu e-mail, mas ao passar de uma semana, todos os que elogiaram estavam praticando as mesmas coisas que eu havia criticado, seja por covardia, temendo perder espaço em suas igrejas, perder salários, seja porque simplesmente exerceram a política da boa vizinhança comigo.

Aliás, mesmo tendo essa oportunidade, fiquei triste, pois a liderança que eu torcia que estivesse lá não estava, pois haviam boicotado o evento, como sempre fazem quando não participam do comitê organizador. Tudo por aqui é um jogo político, especialmente entre as grandes igrejas, e eu pude observar isso nas entrelinhas.

A esperança é que dessa vez os jovens que estavam presentes possam ao menos repensar sua fé, avaliar tudo o que foi dito e se tantas informações fazem sentido, se podem ser confirmadas com a Palavra Infalível de Deus. Quem sabe os mais velhos e experientes também possam fazer isso. Não havia tantas pessoas lá. Entre inscritos e organizadores presentes talvez somassem 80 pessoas na sala ambientada para o debate, muitas das quais eram alunos da própria faculdade, mas todos participam ativamente de suas congregações. Deus sabe o que faz e, se Ele quiser, trabalhará no coração deles como tem trabalhado no meu, me cobrando continuamente, exigindo cada dia mais zelo pela sua Palavra, me moldando, me perdoando.

Como estava só não pude filmar nem tirar fotos, mas voltei um dia depois para fazer algumas imagens. Porém a feira foi um fracasso total, pois como disse anteriormente, as grandes igrejas boicotaram a feira, portanto não houve muita coisa importante para registrar.

No mais, apenas comércio, sincretismo e inutilidades.

Dessa forma encerro pedindo oração aos irmãos pelo meu Acre querido, o Estado da federação mais neopentecostal de todos, proporcionalmente ao número da população. Orem por misericórdia, orem para que Deus levante homens e mulheres com coragem para se erguer contra toda afronta ao Evangelho de Cristo, e com um coração disposto a amar, perdoar e ensinar sobre Cristo com sua própria vida.

Deus abençoe a todos.



25 agosto, 2013

Regras humanas não podem purificar


Por Ruy Cavalcante

"Já que vocês morreram com Cristo para os princípios elementares deste mundo, por que é que vocês, então, como se ainda pertencessem a ele, se submetem a regras: "Não manuseie!" "Não prove!" "Não toque! "? Todas essas coisas estão destinadas a perecer pelo uso, pois se baseiam em mandamentos e ensinos humanos. Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria, com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com o corpo, mas não têm valor algum para refrear os impulsos da carne." (Cl 2:20-23)

A tentativa de se alcançar a purificação do cristão a partir de regras estabelecidas por homens é antiga, remonta ao início da igreja. Afinal de contas, sempre foi mais fácil simplesmente proibir do que ensinar, pois este exige dedicação, esforço e zelo.

A maioria de nós, cristãos evangélicos, já se deparou com algumas proibições sem qualquer vínculo com o Evangelho onde, em sua maioria, são uma tentativa sincera de nos afastar do pecado. Digo maioria, pois tenho consciência de que há casos em que a tentativa na verdade é de dominar a vida das pessoas, mas não entrarei nesse mérito.

Entretanto sinceridade não garante justiça, essa se alcança com a verdade, e a verdade está descrita na Palavra de Deus.

Quando não ensinamos com afinco a Palavra de Deus, a única que verdadeiramente liberta (Sl 119:9), só nos resta criar inúmeras regras para tentar impedir que o povo peque. Dai no lugar de ensinar a guardar a Palavra de Deus, proibimos as mais variadas práticas. Proibimos o namoro, proibimos a amizade de crentes com descrentes, proibimos que se use calça jeans, proibimos a televisão, e até mesmo ler livros.

Mas sinto informar, mas conforme foi dito por Paulo aos Colossenses, essas regras não tem poder algum contra o pecado. Só quem pode converter o coração do ser humano é Deus, e Ele escolheu fazer isso através da pregação do Evangelho.

Quando Jesus nos mandou fazer discípulos ele foi taxativo ao afirmar que deveríamos ensina-los a guardar tudo o que Ele havia dito, em momento algum ele descreveu alguma lista de regras e leis a serem cumpridas por aqueles a quem anunciaríamos o Evangelho, pois obviamente Ele sabia que essa função, a de determinar o que deveria e o que não deveria ser praticado por nós, cabia ao Espírito Santo, conforme afirma:

E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16:8)


Como sabemos, o Espírito Santo faz habitação na vida daqueles que creram em Jesus, que foram alcançados pelo Evangelho de Cristo. A estes, conforme profetizado por Jeremias, as leis de Deus estariam escritas em seus corações, no seu interior, não havendo necessidade que se ensine o que se deve e o que não se deve fazer (Jr 31:33-34). Esse papel cabe ao Espírito Santo, e Ele o cumpre na vida dos regenerados, sem exceção.

Usemos a prática sexual como exemplo. Sexo fora do casamento é pecado? A resposta é sim, e duvido que qualquer cristão discorde dessa afirmação.

Porém, se abster de transar fora do casamento não é algo que se ensine proibindo o namoro (por exemplo), e sim ensinando o Evangelho. Sem Evangelho não há coração puro, e sem coração puro até a castidade é impureza. É justamente essa a ideia defendida por Tito, quando afirma:

Tudo é puro para os que são puros, mas para os corrompidos e incrédulos nada é puro; antes tanto a sua mente como a sua consciência estão contaminadas.” (Tt 1:15)


A pureza no coração humano é obra do Espírito Santo de Deus e ele a executará até o fim (Fp 1:6). Não há nada que possamos fazer para nossa própria purificação. Qualquer tentativa humana de se lavar pode ter aparência sincera e de sabedoria, mas será ineficaz.

Repito, sem a pureza genuína executada por Deus em nós, até mesmo a abstinência radical de tudo o que possua aparência maléfica, será considerada impureza, pois a contaminação vem de dentro, não de fora do ser humano (Mc 7:20).

Portanto, cabe a cada um de nós ensinarmos nossos irmãos tudo aquilo que a Palavra de Deus ensina, a começar do Evangelho, das Boas Novas da Salvação em Cristo. Este é o caminho para que o pecado seja odiado por eles, esta é a porta que Deus escolheu para operar transformação em nossos corações, nos tornando puros e santos.

Não negligencie isso por coisas inúteis, cumpra seu papel de evangelista e deixe que o Espírito Santo cumpra o dEle, pois Ele jamais falhará. Deus abençoe a todos.




12 agosto, 2013

Pregou o Evangelho tá fora!



Por Ruy Cavalcante

Bom, ao pensar sobre esse artigo, inicialmente pensei em fazer alguns esboços teológicos a respeito da situação de nossa igreja evangélica, no Brasil, em pleno século XXI, porém artigos assim já existem aos montes, inclusive neste blog.

Em seguida intentei escrever alguns comentários, recheando-os com passagens bíblicas. Também repetitivo.

Então decidi que apenas citarei trechos de uma conversa que vinha tendo nos últimos dias com um amigo, que foi excluído da igreja nesse último fim de semana, recheada de alguns comentários meus. Não citarei nomes, mas entendo que a conversa fala por si só e espero que não fique grande demais. Em vermelho são as palavras dele:

*Dia 29/07/2013

- Ruy, você viu minha postagem sobre o “MMN de Deus”?

- Vi, porém não cheguei a ler tudo, vou ler agora.

Obs.: A postagem fala sobre teologia da prosperidade e, entre outras coisas, diz o seguinte:

“Minha alma chora quando escuto coisas como essas. É triste ver que o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo foi diminuído a “provas com Deus” e a “barganhas espirituais”. Quando voltamos para as Sagradas Escrituras não conseguimos enxergar (porque não existe) esse tipo de aberração. Em Mateus 4:17 vemos Jesus iniciando sua pregação, e qual era o tema de sua mensagem? Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus”.

- Meu telefone não para de tocar de pessoas pedindo para eu tirar o post, pois temem que eu sofra alguma represália na igreja. Mas mano, eu creio que o esclarecimento chega até a nós para podermos ajudar pessoas que se encontram enganadas...

(...)

- Dá uma olhada nesse texto: “Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganhado, antes recebamos o inteiro galardão. Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras” (2 João 1:8-11). Se vc não falar, se for omisso, terá parte nestas más obras. Fica tranquilo, perseguição é a regra, não tem como fugir disso.

- Oro que Deus conforte o meu coração, e que ele permita que eu cresça em conhecimento. Sei que estou em um caminho sem volta. Oremos meu irmão.

*Dia 04/08/2013

- Fala mano, blz! Desculpa sempre lhe incomodar com minhas pequenas experiências. Mas, recebi um convite para ser convidado a sair da igreja em que eu congrego...

(...)

- Mas o “convite” foi formal, foi da liderança, ou de algum outro membro?

- Foi do próprio pastor...

- E ele justificou o pedido como?

- A justificativa no comunicado dizia que eu estava me rebelando, e que estava tendo atitudes que não convinha para a liderança. Em parte é triste, pois lá tem pessoas boas e carentes de uma palavra verdadeira. Mano, eu nunca os desrespeitei, mas sempre falei o que tenho ouvido e visto.

- Bom, num caso como o seu, eu daria um discurso de despedida eu mostraria que a rebeldia pelo qual estou sendo acusado é simplesmente a verdade bíblica que a liderança insiste em não obedecer. Diria também que até o momento ninguém mostrou uma única linha bíblica que sustentasse as doutrinas que combato (...) E dessa forma saio com total convicção que estou no caminho certo e estarei orando para que a verdade, e não fábulas, possam conduzir a igreja, pois os amo incondicionalmente.

(...)

- Sinceramente, não sei para aonde irei. Estou orando e pedindo uma direção. Tenho acompanhado alguns cultos online da xxxxxxx, do Pr. Xxxxxxxx e tenho percebido um compromisso por parte da igreja com as verdades da bíblia.

- Ele é um ótimo pregador. Não o conheço como pastor, mas tenho ótimas referencias.

(...) 

*Dia 12/08/2013

- Bom dia mano! Paz... Fui excluído ontem da igreja que fazia parte. Fui coagido, ameaçado e agredido verbalmente... Fui firme em amor nas minhas colocações e pedi que o evangelho verdadeiro fosse ensinado... 

- É irmão, pelo menos alguém deve estar feliz com isso tudo, que é Deus. Feliz por você ter perseverado na verdade, mesmo com esse problema. Mas e ai, foi feito a exclusão durante o culto? Você foi proibido de frequentar a igreja ou apenas não pode exercer funções?

- A resposta que eu tive era que eu era um demônio, arrumador de contendas. Mano, fui chamado no gabinete do pastor. Estava apenas eu, o pastor e um líder imediato, que é sobrinho dele. Eles trancaram a porta e foi uma seção de ameaças por partes deles e coação. Eles dizem ter uma prova contra minha pessoa, e que se por acaso eu continuar falando essas coisas e pregando "supostas" contendas, eles vão jogar no ventilador...

(...)

- Mas eu sei que foi só para tentar me calar. Fui firme nas minhas colocações, e mostrava na bíblia...

- Bom, no seu lugar eu teria respondido. Ah, vocês tem uma prova? Ótimo, nada está oculto que não venha a ser revelado. Aguardo vocês no culto para que mostrem sua prova e eu levarei as minhas contra vocês, que é esta aqui (e mostraria a bíblia) rsrsrs.

- Eu disse mano, mas eles não provaram nada...

- Ué, mas tem algo que se possa provar contra você? Você cometeu algum pecado?

- Nada mano, graças a Deus. (...) É uma forma que eles tem, para tentar me desmoralizar, mas sobre isso, estou em paz. Eles me cortaram de todas as minhas funções, e me pediram para não mais frequentar a igreja. Eu pedi que esse pedido fosse feito em público, mas ele disse que não faria isso. Sendo assim eu disse que não iria sair enquanto Deus não me orientasse para isso. Cara, quase apanhei... J

O pastor disse: “Se sua interpretação da bíblia não estiver em conformidade com a visão do líder, a interpretação está equivocada”. Eu quase morri de rir, porque eu ficava perguntando onde está o meu erro? Ensinei alguma mentira? Qual é a heresia? E eles não tinham resposta. Tentaram até me convencer que a teologia da prosperidade é correta...

(...)

- Mano, diante de tais argumentos, eu fiquei convencido que essa liderança “não é de Deus”, pois ele mente e oprime aqueles que ousam a se posicionar...

- De repente foi por esta razão que Deus permitiu que você passasse por isso, para ter convicção do caminho correto.

- Hoje eu estou certo disso mano. Fico triste pelo fato de muitas pessoas estarem ali com o coração sincero. Mas sinceridade e verdade são coisas diferentes.

Obs.: A conversa entre eles foi bem mais pesada e longa, porém fiz algumas edições, pois as ofensas e ameaças não vêm ao caso, apenas refletem o coração de quem os profere.
-----------------

Minha opinião.

Graças a Deus tal episódio aconteceu com um crente firmado em Cristo e em sua Palavra, pois as consequências para a vida de um irmão mais fraco poderia ser terrível. 

Eu não entendo como uma liderança pode chegar a esse ponto. Uma comunidade que deve servir para que todos seus membros se edifiquem, até que cheguem a estatura de Cristo, do contrário, expulsa quem tenta ensinar o Evangelho puro e simples.

E assim caminha a igreja evangélica no século XXI. Que Deus tenha misericórdia daqueles que se permitiram enganar, trazendo-os para perto de Si.


***

Atualização:

No último domingo, dia 04/12/2016, Este irmão foi eleito presbítero de uma importante IPB no sudeste do país. Ele não desfaleceu, não se entregou, antes continuou perseverante na fé como todo bom cristão.

Fico muito feliz por ele, e mais ainda pela igreja que ganhou alguém comprometido com o Evangelho para auxiliar na importante caminhada de tal congregação.

Deus seja louvado!



08 agosto, 2013

Segregados porém inflamados


 Por Ruy Cavalcante

Há poucos dias um amigo me confidenciou que fora convidado, por seu pastor, a se retirar do convívio da congregação. Penso que tal atitude, independentemente da motivação, é uma afronta a tudo o que o Evangelho nos ensina. A exortação, a repreensão e a disciplina são tratamentos necessários para que uma congregação possa se desenvolver de forma saudável, mas convidar alguém a se retirar da igreja?

Pior do que a determinação foi a motivação. Meu irmão estava sendo excluído porque seus ensinos bíblicos contrariavam as práticas da comunidade. Entenda, eles não contrariavam a bíblia e sim o que a igreja vivia. Suas pregações se pautam no amor e no perdão, no lugar de no triunfo e na riqueza. Falava de cruz e não de sinais. Levantava-se contra práticas condenáveis na bíblia e isso fez com que fosse segregado.

Fatos assim tem sido cada dia mais comuns dentro de igrejas evangélicas, especialmente das adeptas do movimento neopentecostal. Todo aquele que se levanta contra doutrinas esdrúxulas logo é tratado como estranho, e de irmão se transforma, como num passe de mágica, em vilão, semeador de contendas, tocador de ungidos. Sobre falsos ensinos e a postura que devemos tomar diante delas não falarei no momento, o blog está recheado de artigos nesse sentido.

Queria apenas comentar sobre o tratamento dispensado àqueles que decidem “conspirar” em favor da verdade. A segregação contra quem ensina e prega o Evangelho verdadeiro é real, mas em nossos dias tem sido imposta pela própria igreja.

Líderes (pastores, apóstolos, profetas) proíbem seus ‘liderados’ (discípulos, servos, ovelhas) a permaneceram em contato com estes subversivos. Eu mesmo já tive irmãos que foram proibidos de andar e/ou falar comigo.

Os zelosos, por vezes são convidados a se retirarem do convívio com a igreja local, como aconteceu com o referido irmão, simplesmente porque ensinava o Evangelho sem misturas. Simplicidade é tudo o que não querem, pois o simples não engana, antes esclarece. A velha tática de domínio, proibindo e/ou sabotando o ensino de qualidade (leia mais sobre isso clicando aqui).

Mas quero deixar bem claro para aqueles que ainda não perceberam: esta guerra está apenas começando!

Quem ama o Evangelho não desistirá de ensiná-lo. Quem ama seus irmãos não se omitirá quando a mentira for anunciada como esperança. Muitos estão dispostos a não mais se omitir diante dos enganos que vem buscando dominar nossos arraiais.

Estaremos de olho, mesmo que todos se voltem contra nós, pois sabemos que a verdade é obra de Deus, nunca de satanás.

‪#‎conspiração ‪#‎peloEvangelho



07 agosto, 2013

A Graça na vida mesmo ferida


Pela primeira vez, um poema. Fala da Graça e da vida, que mesmo na Graça encontra ferida.













Amor, dor, justiça, rancor
Como o vento que te abraça
Ainda que nisso não veja a Graça
Pelo caminho que for, sentirá o ser ardor

Não, Ele não te abandonou
Está te esperando paciente
Quer te ver um dia contente
Enfim sem as marcas do que um dia passou

E vai passar, pode esperar
Mas não agora
Não nessa hora
Só quando Ele te chamar pra passear

Amor, dor, justiça, rancor
Hoje é assim, mas amanhã passa
Percebe que nisso tem Graça?
Sim, em tudo está a mão do Senhor


Ruy Cavalcante



25 julho, 2013

Estratégias de domínio, cuidado ovelhas!

Por Ruy Cavalcante

No curso de Ciências Sociais costumeiramente discutimos sobre estratégias de domínio, utilizadas por governos autoritários, governos estes que muitas vezes evoluem e se tornam totalitários, ditatoriais.

Duas dessas estratégias, talvez as mais comuns e eficazes, são a batalha contra a crítica e o monopólio da educação. Olhando para o passado, em tempos da ditadura militar, talvez fique mais fácil entende-las.

Lembram-se das consequências enfrentadas por aqueles que resolviam criticar o regime militar? Lembram-se de como eram perseguidos, presos, torturados, extraditados e por vezes mortos? Tudo com um único objetivo: calar a critica, não permitindo assim que a massa populacional tivesse contado com pensamentos insurgentes, sejam artísticos, políticos ou filosóficos, ainda que fossem pensamentos justos, pois o que importava era manter a ordem e, com isso, o domínio do povo, conduzindo-o livremente sem maiores percalços.

Da mesma maneira, se considerarmos a educação, havia um controle extremamente rígido. Disciplinas como a filosofia e outras ciências, que buscavam a transformação da mente e a capacidade de argumentação crítica e analítica, foram quase extintas, especialmente no ensino público. Havia também um controle austero do corpo docente e, por conta disso, muitos professores foram também vítimas do regime, perdendo direitos ao magistrado, sendo presos, etc. A ditadura sabia que a educação poderia construir pensamentos revolucionários, contrários ao regime, caso tivesse liberdade e a capacidade de desenvolver cidadãos esclarecidos.

Estas estratégias são bem comuns hoje em dia também, o que trás indícios de que nossa atual conjuntura política não está tão distante assim de um novo regime totalitário.

Porém, estes conceitos não estão presentes apenas nos regimes políticos. Por se tratarem de estratégias eficazes, muitos se utilizam desse expediente, inclusive a igreja. Este artigo é, portanto, mais um alerta que faço aos irmãos, cristãos evangélicos das mais variadas denominações. Fiquem atentos aos sinais.

Se puderem ler e meditar no Evangelho de Cristo, perceberão que Jesus foi um rigoroso crítico do sistema religioso de sua época, ainda que sua principal missão tenha sido morrer por pecadores como nós. Ele criticou constantemente as atitudes contrárias ao ensino bíblico, levadas a cabo pelos fariseus, saduceus e sacerdotes. Criticou não apenas o sistema doutrinário, mas também aqueles que ensinavam o erro e que dissimulavam um falso evangelho, mascarando-o de piedade (ex: Mateus 6; Mateus 23; Lucas 19:46; Marcos 8:33).

E não somente isso, ele também continuamente estudava e ensinava a bíblia, especialmente aos sábados, nas sinagogas, e incentivava que seus discípulos e seguidores fizessem o mesmo (ex: Mateus 13:54; Lucas 4:16). Tudo isso, todas essas atitudes foram repetidas pelos apóstolos, por cada um deles (ex: Atos 17:11; 1 Timóteo 5:20; Tito 1:13). O próprio Pedro foi criticado publicamente por Paulo e este, nem por isso, foi considerado um pecador impuro, a serviço de satanás (Gálatas 2:14).

Fiquem atentos aos líderes que deliberam sobre "leis espirituais" que proíbem a critica, as suas intenções não são justas, pois a critica ao erro foi algo ensinado por Jesus, presente em todo o contexto bíblico. A crítica é, antes de tudo, um ministério profético, desde que considerado sua função. Não se trata de crítica pela crítica, tampouco de julgamentos temerários. Mas da análise de erros com a justa correção, mediante a exclusividade do ensinamento bíblico.

E ainda, cuidado com líderes que extinguem o ensino bíblico puro, tornando o ensino cristão apenas um treinamento de líderes e discípulos, sem aprofundamento doutrinário. Quantas igrejas já não extinguiram a tradicional Escola Bíblica Dominical para dar lugar a encontros de treinamento, ou mesmo para dar lugar a nada! Isso é uma verdadeira desgraça para a Igreja verdadeira, a falta de ensino bíblico resulta em cristãos doentes, incapacitados a perseverarem na fé mediante as intempéries da vida, e sujeitos a todo vento de doutrina que os alcancem.

Como disse, essa estratégia é antiga, utilizada por aqueles que historicamente tentam dominar o povo, não liberta-los. Ora, quem domina a mente do povo, domina o povo. Quem consegue convencer de que é detentor da verdade, se torna dono dela, ainda que não seja de fato verdade, como geralmente não é.

Portanto, reivindique em sua igreja o ensino bíblico contínuo, para todos, desde os primeiros passos da nova vida cristã. Se houver treinamento, que não seja em substituição ao ensino bíblico, mas em adição a ele.

NÃO PERMITA QUE SUA MENTE SEJA DOMINADA por outra coisa que não seja a palavra de Deus, afinal de contas ela, e somente ela, é viva e eficaz para discernir os pensamentos e intenções do coração (Hb 4:12; 2 Timóteo 3:16).

E cuidado com pastores autoritários, dominadores, pois falta pouco para se tornarem totalitários, se é que já não o são.

Deus abençoe a todos.



24 julho, 2013

A conspiração já começou!


Uma conspiração se avoluma Brasil afora e eu quero e estou participando dela, através do meu Blog, do meu ministério, das redes sociais e onde mais o Senhor me levar. É uma conspiração em favor do Evangelho genuíno de Cristo.

Sabemos que a luta é inglória diante dos homens e até mesmo diante da igreja. Sabemos que será muito difícil vencê-la nesta vida, mas ainda assim lutaremos o quanto for possível, para socorrer aqueles que foram aprisionados por um falso evangelho sem se darem conta disso.

Falsos mestres, falsos profetas, falsos pastores fiquem alertas, pois vocês não estão mais sozinhos nem podem mais agir livremente como antes, enganando o povo, explorando a lã das ovelhas e dissimulando um amor que não tem poder de transformação.

Lutaremos para mostrar e demonstrar que o senhorio de Cristo liberta da opressão, que transforma corações e nos torna capazes de amar, perdoar e repartir. Conspiraremos contra egos inflamados, desejos descontrolados, lideres exaltados e ovelhas perdidas, para que estas se encontrem, tenham uma identidade cristã, conheçam o Cristo que sara.

Aos que não fazem parte da conspiração, e que muitas vezes se levantam contra ela, peço em amor que leiam a bíblia, verifiquem se nossas atitudes refletem o que ela ensina e, se a resposta for sim, juntem-se a nós, libertem-se do jugo de homens, sejam livres para amar e para ter comunhão com a Igreja sem necessidade de outro sacrifício que não o de Cristo.

Aconselho que busquem conhecer o Evangelho de Cristo. Aconselho também que busquem amizade com pessoas dispostas a viver esse Evangelho, o verdadeiro. Existem muitas espalhadas pelo Brasil e você pode reconhece-las facilmente pelo zelo que demonstram ao Evangelho, pelo amor e entrega, em detrimento de qualquer opressão humana. Elas lutam pela verdade de Cristo, ainda que sob pena de perderem amigos, pois entendem que essa verdade é espada.

Não pensem que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim para fazer que ‘o homem fique contra seu pai, a filha contra sua mãe, a nora contra sua sogra; os inimigos do homem serão os da sua própria família’. "Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará. (Mateus 10:34-39)

A conspiração já começou, ela não vai parar. E apesar de muitos ainda não reconhecerem, o que alimenta ela é o amor.
 
Ruy Cavalcante
 



22 julho, 2013

Amigo, tente me entender


Pensando nas novas amizades que começam a se construir, escrevo hoje um artigo diferente. Trata-se de uma defesa antecipada, pensando em futuros embates, haja vista meu posicionamento em relação a atual postura doutrinária da igreja evangélica.

Faço isso por dois motivos principais: Porque amizade é algo de valor inestimável, e eu verdadeiramente amo cada um deles, ainda que minha forma de amar seja pouco poética :); e em segundo lugar, porque tudo que escrevo é também por amor, mas especialmente por amor a Deus e à sua Palavra e sei que não há nada mais benéfico para alguém, do que ser confrontado pela palavra do Senhor.

Há ainda uma terceira razão. O fato de eu considerar alguns desses novos amigos, especialmente aqueles que fazem parte de congregações neopentecostais, mais vítimas do que culpados pois, ainda que a responsabilidade de viver a verdade do Evangelho de Cristo seja pessoal, elas confiam em pessoas que não retribuem essa confiança com a verdade, infelizmente.

Voltando ao assunto, eu sei que no decorrer da caminhada, teremos atritos doutrinários, uma vez que sou ferrenho opositor do movimento neopentecostal, e por isso gostaria de expor minhas motivações para continuamente insistir em questionar determinados procedimentos dentro destas congregações. Vou começar com um texto bíblico que diz:

"Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganho, antes recebamos o inteiro galardão. Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras" (2 João 1:8-11)

O texto é autoexplicativo: Se prevaricamos em guardar a verdade doutrinária de Cristo, não somos de Deus. Da mesma maneira, se nos omitimos ou se aceitamos a pregação de um falso evangelho, teremos parte com aqueles que o anunciam, e seremos corresponsáveis por suas más obras diante de Deus.

Ora, verdade doutrinária de Cristo é aquilo que Cristo e seus apóstolos ensinaram a respeito dEle mesmo, são as verdades por meio das quais a igreja deve ser pautada. São as diretrizes eternas que devem ser vividas e ensinadas pela igreja. Tudo fora do que foi por eles ensinado deve ser descartado, pois é nossa obrigação perseverar unicamente na doutrina de Cristo. Sola Scriptura!

Corroborando com esse texto, Paulo afirma aos gálatas que:

"Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado!" (Gálatas 1:6-9 – NVI)

Ora, se nem um anjo tem autoridade para ensinar algo além do que já foi ensinado na Bíblia, porque eu deveria considerar os ensinos extra bíblicos de pastores e profetas como extensão da verdade de Cristo?

Não! Eu jamais farei isso, e minha motivação para agir assim é a própria Palavra de Deus, ela me obriga a isso! Aliás, ela obriga a todos que professam o nome de Cristo que ajam dessa maneira, e eu escolhi obedecê-la.

É uma decisão bem difícil de tomar, considerando a situação em que muitas igrejas se encontram, tomadas de falsos divulgadores da verdade, que ensinam doutrinas do seu próprio ventre (Rm 16:18). Mas cabe a cada cristão decidir a quem é mais importante obedecer, se à Palavra de Deus ou à Palavra de homens.

Como disse, não é um caminho fácil, quem se decide apenas por obedecer a Deus enfrentará perseguição em todos os lugares (2 Tm 3:12; Mt 10:34-38), mas é uma decisão tomada por amor. Amor a Deus e amor aos irmãos, para que você os entregue beneficios eternos.

E eu decidi fazer isso pelos meus amigos, pois eu os amo, ainda que eles não entendam.

Deus abençoe a todos.
Ruy Cavalcante



21 junho, 2013

Minha impressão, hipocrita sim, mas minha


Continuo sendo favorável às manifestações Brasil afora, mas quero me manifestar novamente.

Minha impressão, alcançada hipocritamente do conforto da minha sala, é que a coisa está caminhando para se transformar unicamente num grande Big Brother, onde a casa está dividida em dois grupos. O grupo maior, formado por pessoas legais, com ideias legais, falando coisas legais. O grupo menor, formado por pessoas invocadas, fazendo conspirações na casa e criando baderna.

Entre as pessoas legais, ninguém se entende, cada um pede uma coisa diferente, muitas vezes no mesmo grupo há lutas opostas. Um é pró aborto, outro é contra. Um é contra Feliciano, outro é a favor, um quer a aprovação da ipl 122, outro não quer, não tem foco, não tem homogeneidade e em consequência, não tem força, só barulho.

Pergunte a qualquer pessoa o que reivindicavam entre 1983 e 1984 e todos responderão: Diretas já, ou seja, o povo lutava pelo voto direto e igualitário. Se perguntar quais as reivindicações dos caras pintadas, que novamente tomaram todo o Brasil em 1992, todos terão a resposta na ponta da língua, e dirão: Fora Collor!

Se continuar nessa toada, daqui alguns anos quando alguém perguntar o que o povo reivindicava em 2013, todos responderão: Vixi, um montão de coisa, foi lindo! E só...
 
Ruy Cavalcante



17 junho, 2013

Dando o braço a torcer, em favor dos protestos

Por Ruy Cavalcante

Mudei de opinião, acho que me iludi com algumas falácias direitistas.

Passo a considerar o protesto que se espalha Brasil afora justo, acho que uma revolução é necessária, sem violência, porém radical, o mais radical possível, ninguém aguenta mais tanta corrupção, tanta injustiça, tanta violência.

Espero que esta revolução se espalhe e tome todas as ruas de todas as cidades. Mais do que isso, espero que ela tome todos os corações de todos os brasileiros, e nos faça guerrear também contra nós mesmos.

Espero que a revolução nos faça ser mais honestos também, nos faça obedecer as leis de trânsito, nos faça respeitar as filas, os idosos, as crianças. Espero que ela nos tome de tal forma que não enganemos mais o próximo, não busquemos apenas o proveito próprio, sem colas nas nas provas e nos vestibulares, sem ficar com o troco errado, sem votar em troca de uma caixa d'água.

Quero muito combater a corrupção, mas quero mais ainda que a corrupção em mim seja destruída. 

Tomemos portanto as ruas, mas sem esquecer de tomar de assalto nossas consciências, de forma que não pratiquemos mais aquilo que condenamos, pois a injustiça é realmente grande demais para suportar calado...



14 junho, 2013

A atração por promessas enganosas

 
Por Ruy Cavalcante

Nos últimos anos, talvez décadas, especialmente com o crescimento do movimento neopentecostal no Brasil, tem-se tornado costume em nossos púlpitos, vigílias e demais reuniões eclesiásticas, a prática de se anunciar promessas, pessoais ou coletivas, que em geral não encontram fundamento legitimo nas Sagradas Escrituras.

Demonstrando um total desconhecimento da revelação escrita, das figuras e tipos encontrados na palavra de Deus, e da superioridade de nossas promessas em Cristo (Hb 8:6), cada dia pastores, presbíteros e líderes em geral, despejam mensagens atrativas, permeadas de promessas materiais e terrenas, tendo como único objetivo o crescimento de seus ministérios, mesmo que isso não signifique a salvação dos “seus seguidores”.

Ora, a ideia é simples. Imaginem duas pregações hipotéticas:

1 – “... você e eu somos pecadores, merecemos a morte e a dor, mas Deus, em seu infinito amor, enviou seu filho para que sobre ele fosse executado o juízo que era contra nós para que, a partir de então, vivêssemos por ele, negando a nós mesmos para obedecê-lo...”.

2 – “... você é um vencedor! Deus realizará todos os sonhos do teu coração, ele te promete que onde pisar o teu pé ele te dará por herança, pois você é um campeão, não perca essa oportunidade!”.

Na primeira opção, é possível que pela graça de Deus e pela sua eterna eleição, alguns se entreguem a Cristo e se tornem cristãos sadios, perseverantes na fé, que não se afastam de Jesus nem mesmo diante da mais horrenda perseguição. Na segunda opção, é bem provável que dezenas, ou quem sabe centenas se tornem crentes, e passem a frequentar uma igreja, atraídos por promessas que geralmente se relacionam com conquistas terrenas e não eternas, entretanto sem demonstrar a característica da justificação, uma nova natureza, com novas atitudes e um novo coração.

Posto isso, sinto-me extremamente impelido a lhe alertar acerca de algumas coisas.

Veja, por exemplo, que, o fato de o profeta Daniel ter se tornado governador não significa que você se tornará também. Pense bem, se esta experiência vivida por Daniel fosse uma promessa para o cristão, todos seriamos governadores, mas governaríamos a quem? Da mesma sorte, o fato de ele ter sido liberto da cova dos leões não significa que o mesmo acontecerá contigo, pois se você esqueceu, eu te ajudo a lembrar: Deus não livrou Estevão do apedrejamento, Paulo da prisão seguida de execução e João do exílio, só para citar alguns exemplos, mas nunca vi alguém pregar que Deus nos prometeu um apedrejamento mesmo que fossemos fieis a Ele, você já?

Mesmo com tudo o que passaram, ainda assim todos eles, Daniel, Estevão, Paulo e João, são mais que vencedores e há de se entender de uma vez o que a bíblia ensina quando afirma isso, questão já respondida em outros artigos do Blog, mas que repetirei. Veja o texto:
Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: "Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro". Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou”. (Rm 8:33-37)

Acostumamo-nos a ler apenas o versículo 37, porém ao simplesmente ler alguns versículos anteriores, a verdade salta aos olhos. O texto, na verdade, não afirma que em Cristo estaremos isentos da dor e do sofrimento, antes afirma expressamente que, mesmo que a tribulação, a angústia, a perseguição, a pobreza ou qualquer outro mal venha sobre nós, com Cristo podemos suportar sem desfalecer, pois ele é a nossa vitória e pelo seu amor venceremos até a morte, pois nosso destino é a glória eterna, mesmo que nesta terra tudo dê errado, aleluia!

Quem pode, portanto, saber se o que te espera não é uma decapitação no lugar de uma bela conta bancária ou de um carro do ano? Daniel se tornou governador assim como José, porém Paulo e Estevão foram executados, todos eles serviram a Deus e foram fieis em seu chamado, inclusive Paulo chega a dizer que imitemos o seu modo de proceder, por ser ele um imitador de Cristo (I Co 4:16; 11:1).

Dessa forma podemos perceber que a benção de Deus sobre o ser humano não é baseado em nosso próprio mérito, do contrário Paulo não teria o fim que encontrou (falo em perspectiva terrena). Também não se baseia em promessas aleatórias. Tudo na verdade se baseia na soberana vontade de Deus, uma vez que Ele abençoa quem quer, como quiser, independente de mérito pessoal, independente até mesmo da nossa busca pessoal por suas bênçãos, como Ele mesmo diz:

Terei misericórdia de QUEM EU QUISER ter misericórdia e terei compaixão de QUEM EU QUISER ter compaixão". Portanto, isso NÃO DEPENDE DO DESEJO OU DO ESFORÇO HUMANO, mas da misericórdia de Deus. Pois a Escritura diz ao faraó: "Eu o levantei exatamente com este propósito: mostrar em você o meu poder, e para que o meu nome seja proclamado em toda a terra". Portanto, DEUS TEM MISERICÓRDIA DE QUEM ELE QUER, e endurece a quem ele quer”. (Rm 9:15-18 - grifo meu)


Portanto irmãos, cuidado com o que vocês pregam, cuidado ao usar experiências de uns como promessas para outros, pois geralmente você estará ensinando uma mentira, e mentira é sempre mentira, mesmo que seja agradável de se ouvir.

E aos ouvintes e leitores, fiquem atentos ao ensinamento bíblico, e observe tudo pelo crivo da Palavra, a fim de não serem conduzidos por doutrinas de homens, mas sim pela verdade imutável de Deus.




11 junho, 2013

Primeira carta herética do profeta Ruy à igreja que está no Brasil


I HERESIAS

1 Escrevi esta primeira carta, ó amada igreja, para lembrar-lhes das promessas imutáveis de nosso deus, 2 para que tenhas uma clara esperança e que tomes posse de tudo o que ele prometeu. 3 Pois uma coisa está muita clara, escrito nas estrelas desde o inicio dos tempos, 4 deus quer te abençoar, mas antes você precisa semear.

5 A semente é a força pela qual deus comanda o universo 6 e derrama, sobre seus filhos liberais, todas as riquezas que ele mesmo criou para que pudessem se fartar delas. 7 Ele cria ouro e prata, e distribui abundantemente sobre seus filhos fieis. 8 Ora homem, como podes imaginar que deus, te amando, permitiria que fosses pobre? 9 Oxalá todos cressem e semeassem, não haveria pobreza sobre a terra.

2 Enquanto escrevia-lhes estas coisas, veio a palavra de deus em sonhos, dizendo: 2 Ruy, meu tetrarca, anuncia estas palavras ao povo de todas as nações, especialmente a brasileira: 3 Vejo que há entre vós quem duvide dessas bênçãos eternas, 4 e que ensinam meu povo a mesquinhez, dizendo 5 “O reino de Deus não se faz de comida e bebida, tampouco se estabelece sobre riquezas terrenas!”. 6 Tentam usurpar as promessas das mãos de meus amados filhos, 7 com sagacidade implantam a incredulidade, afirmando que existem crentes que semearam, mas que não colheram como esperavam. 8 Hipócritas! incrédulos! Se deus não deu aquilo que você pediu, é porque está preparando algo melhor para vocês, meus amados! 9 Não permitam que dissimulem e invalidem minhas promessas, 10 tomem posse delas, semeiem nos ministérios de meus profetas, 11 e colherão tudo o que seus sonhos mais intensos puderem imaginar.

12 Filhinhos, é chegada a hora de saquearmos o inferno! 13 Sejam intrépidos e corajosos, 14 eu vos envio como maiorais entre a terra, para envergonhar e subjugar os príncipes deste mundo, 15 tomando posse dos reinos e governos, 16 pois para isso vos chameis, para governar e reinar sobre todos. 17 Não temam nada, pois quem tem promessa de deus não morre. 18 Mais uma vez vos alerto contra estas víboras disfarçadas de servos. 19 Eles tentarão convencer-lhes, com a desculpa da humildade, que vocês devem servir a todos. 20 Não lhes deem ouvidos! 21 Filho meu jamais servirá ninguém, a não ser àqueles a quem eu enviar para conduzi-los nesta caminhada de vitória.

22 Não turbe vossos corações, como já disse outrora, filho meu não conhece derrota, 23 pois nasceu para vencer. 24 Todos os que duvidaram de tua vitória serão envergonhados, 25 e te aplaudirão, colocando-te em teu devido lugar, o lugar de honra.

3 Tendo dito estas coisas, retirou-se o senhor de minha presença, pedindo-me nova oportunidade de estar comigo.

2 Quanto à adoração do nome de deus, não quero que sejais ignorantes. 3 Honrem os levitas que deus tem levantado, 4 pois são boca de deus para anunciar às nações as promessas eternas. 5 Observem os sinais desse ministério, deus tem aberto portas onde elas não existiam. 6 Em breve toda a nação estará aos pés do meu primogênito. 7 Não permitam que os falsos profetas difamem meus levitas, deturpando suas ações, julgando-os por causa de sua colheita. 8 Do contrário, aumente suas colheitas, se te pedirem tanto para adorar, dê-lhes o dobro, 9 pois são dignos de uma grande coleta, pois pagam o preço para me adorar.

10 Deem sempre o seu melhor para deus, 11 adorem-no com pulos, gritos, danças e lágrimas, 12 pois como podem dizer que amam a deus, se não podem expressar isso com toda emoção? 13 Surpreenda a deus sempre com coisas novas na adoração, 14 pois o que faz barulho, esse é o que o ama, 15 demonstrando assim toda sua devoção pelo senhor. 16 Escrevo estas palavras para que sejam espirituais, 17 portanto, não se enganem, Deus é espírito, por isso precisa de uma boca para falar e de um corpo para agir, 18 deste modo, abram suas bocas irmãos e anunciem estas palavras até os confins da terra, 19 pois é digna de toda aceitação pela igreja.

4 Ao que sofre digo que não se preocupe, a força está em você. 2 Jamais diga que você tem um grande problema, antes diga ao problema que você tem um grande deus, 3 determinando em seguida que ele caia por terra ou que se retire para atormentar os incrédulos. 4 Qualquer palavra contrária dita por um filho meu vai gerar uma grande brecha, 5 por onde satanás atuará em suas vidas, 6 portanto sejam sempre positivos, destruindo assim as obras do inimigo. 7 E não limitem as profecias, antes liberem a todo instante palavras proféticas de vitória, 8 sem as quais meu povo perecerá. 9 Saibais que somos espirituais, evitem as devoções intelectuais, pois porque motivo vosso espírito necessitaria de estudo se sois alimentados pelo alimento entregue por meus profetas? 10 Não sabeis desde o princípio que a letra mata? 11 Portanto sejam prudentes e sempre vigilantes, 12 não sejais jactantes com aqueles que incentivam o estudo a respeito de coisas espirituais, 13 pois vossos profetas são suficientes para que minha igreja possa discernir estas verdades eternas.

5 Se algo em vocês estiver doendo, não se preocupem, é o senhor que está lhes moldando, 2 mas se for doença, digo que se arrependam. 3 Porém se for doença de morte, ou de graves conseqüências, ordeno a todos que sacrifiquem algo que lhes faça falta, aos pés de meus profetas, 4 para que o milagre possa vir a existência, e o doente serás curado. 5 Saiba que digo a verdade, não minto, mas se ainda assim o doente morrer, houve pecado não confessado, 6 negligenciaram a semente dos profetas. 7 Nesse caso é preciso reunir os familiares para que se realize o desencapetamento e a quebra de maldições, 8 para que possam estar livres da culpa de seu parente morto. 9 Existem ainda doenças lançadas pelo inimigo de vossas almas. 10 Quanto a estas, digo-vos que deus deseja curar-lhes, 11 porém se vós não confessares a cura, não podeis tomar posse dela, 12 impedindo assim a  materialização do vosso milagre.

6 Aquele que deseja ser honrado, deve também honrar. 2 Para isso deus instituiu as primícias, 3 para que meu povo pudesse aprender os caminhos da benção sobrenatural. 4 Eis um grande mistério: 5 as primícias são as chaves para que se abram as comportas dos céus, sobre a vida daqueles que honram meu nome, 6 entregando alegremente as primícias de seus bens a meus santos profetas. 7 Por não observarem isso é que existem muitos miseráveis sobre a terra, 8 e não poucos os que dormem.

9 Se porventura te perseguirem por causa destas verdades, sejais pacientes, 10 pois quando se fecha uma porta, deus abre uma janela ou, se preciso for, deus abrirá uma porta onde nem tem parede! 11 Logo os que te perseguiram te aplaudirão, pois te colocarei em lugares altos, para que se envergonhem e contemplem a tua vitória.

12 Amados, peço-vos que continuem profetizando a vitória sobre a minha vida, para que não sejais condenados, 13 e prometo-vos em breve liberar alguns decretos de vitória aos que honraram minha luta constante em favor de vós. 14 Saúdo os irmãos mineirenses, prometendo que enviarei anjos vingadores para guerrear contra os da seita denominada EPS, 15 os quais têm causado confusão no Brasil inteiro, levantando-se contra nossos santos da renovação apostólica. 16 Não se deixem seduzir, e com estes nem sequer comeis. 17 Saúdo a igreja que está em minha terra mãe e os que recentemente me honraram com primícias no nordeste. 18 Que as riquezas desta vida encham suas casas, amém.

(Essa é uma obra fictícia porém, qualquer semelhança com a realidade pode não ser mera coincidência)