25 julho, 2013

Estratégias de domínio, cuidado ovelhas!

Por Ruy Cavalcante

No curso de Ciências Sociais costumeiramente discutimos sobre estratégias de domínio, utilizadas por governos autoritários, governos estes que muitas vezes evoluem e se tornam totalitários, ditatoriais.

Duas dessas estratégias, talvez as mais comuns e eficazes, são a batalha contra a crítica e o monopólio da educação. Olhando para o passado, em tempos da ditadura militar, talvez fique mais fácil entende-las.

Lembram-se das consequências enfrentadas por aqueles que resolviam criticar o regime militar? Lembram-se de como eram perseguidos, presos, torturados, extraditados e por vezes mortos? Tudo com um único objetivo: calar a critica, não permitindo assim que a massa populacional tivesse contado com pensamentos insurgentes, sejam artísticos, políticos ou filosóficos, ainda que fossem pensamentos justos, pois o que importava era manter a ordem e, com isso, o domínio do povo, conduzindo-o livremente sem maiores percalços.

Da mesma maneira, se considerarmos a educação, havia um controle extremamente rígido. Disciplinas como a filosofia e outras ciências, que buscavam a transformação da mente e a capacidade de argumentação crítica e analítica, foram quase extintas, especialmente no ensino público. Havia também um controle austero do corpo docente e, por conta disso, muitos professores foram também vítimas do regime, perdendo direitos ao magistrado, sendo presos, etc. A ditadura sabia que a educação poderia construir pensamentos revolucionários, contrários ao regime, caso tivesse liberdade e a capacidade de desenvolver cidadãos esclarecidos.

Estas estratégias são bem comuns hoje em dia também, o que trás indícios de que nossa atual conjuntura política não está tão distante assim de um novo regime totalitário.

Porém, estes conceitos não estão presentes apenas nos regimes políticos. Por se tratarem de estratégias eficazes, muitos se utilizam desse expediente, inclusive a igreja. Este artigo é, portanto, mais um alerta que faço aos irmãos, cristãos evangélicos das mais variadas denominações. Fiquem atentos aos sinais.

Se puderem ler e meditar no Evangelho de Cristo, perceberão que Jesus foi um rigoroso crítico do sistema religioso de sua época, ainda que sua principal missão tenha sido morrer por pecadores como nós. Ele criticou constantemente as atitudes contrárias ao ensino bíblico, levadas a cabo pelos fariseus, saduceus e sacerdotes. Criticou não apenas o sistema doutrinário, mas também aqueles que ensinavam o erro e que dissimulavam um falso evangelho, mascarando-o de piedade (ex: Mateus 6; Mateus 23; Lucas 19:46; Marcos 8:33).

E não somente isso, ele também continuamente estudava e ensinava a bíblia, especialmente aos sábados, nas sinagogas, e incentivava que seus discípulos e seguidores fizessem o mesmo (ex: Mateus 13:54; Lucas 4:16). Tudo isso, todas essas atitudes foram repetidas pelos apóstolos, por cada um deles (ex: Atos 17:11; 1 Timóteo 5:20; Tito 1:13). O próprio Pedro foi criticado publicamente por Paulo e este, nem por isso, foi considerado um pecador impuro, a serviço de satanás (Gálatas 2:14).

Fiquem atentos aos líderes que deliberam sobre "leis espirituais" que proíbem a critica, as suas intenções não são justas, pois a critica ao erro foi algo ensinado por Jesus, presente em todo o contexto bíblico. A crítica é, antes de tudo, um ministério profético, desde que considerado sua função. Não se trata de crítica pela crítica, tampouco de julgamentos temerários. Mas da análise de erros com a justa correção, mediante a exclusividade do ensinamento bíblico.

E ainda, cuidado com líderes que extinguem o ensino bíblico puro, tornando o ensino cristão apenas um treinamento de líderes e discípulos, sem aprofundamento doutrinário. Quantas igrejas já não extinguiram a tradicional Escola Bíblica Dominical para dar lugar a encontros de treinamento, ou mesmo para dar lugar a nada! Isso é uma verdadeira desgraça para a Igreja verdadeira, a falta de ensino bíblico resulta em cristãos doentes, incapacitados a perseverarem na fé mediante as intempéries da vida, e sujeitos a todo vento de doutrina que os alcancem.

Como disse, essa estratégia é antiga, utilizada por aqueles que historicamente tentam dominar o povo, não liberta-los. Ora, quem domina a mente do povo, domina o povo. Quem consegue convencer de que é detentor da verdade, se torna dono dela, ainda que não seja de fato verdade, como geralmente não é.

Portanto, reivindique em sua igreja o ensino bíblico contínuo, para todos, desde os primeiros passos da nova vida cristã. Se houver treinamento, que não seja em substituição ao ensino bíblico, mas em adição a ele.

NÃO PERMITA QUE SUA MENTE SEJA DOMINADA por outra coisa que não seja a palavra de Deus, afinal de contas ela, e somente ela, é viva e eficaz para discernir os pensamentos e intenções do coração (Hb 4:12; 2 Timóteo 3:16).

E cuidado com pastores autoritários, dominadores, pois falta pouco para se tornarem totalitários, se é que já não o são.

Deus abençoe a todos.



24 julho, 2013

A conspiração já começou!


Uma conspiração se avoluma Brasil afora e eu quero e estou participando dela, através do meu Blog, do meu ministério, das redes sociais e onde mais o Senhor me levar. É uma conspiração em favor do Evangelho genuíno de Cristo.

Sabemos que a luta é inglória diante dos homens e até mesmo diante da igreja. Sabemos que será muito difícil vencê-la nesta vida, mas ainda assim lutaremos o quanto for possível, para socorrer aqueles que foram aprisionados por um falso evangelho sem se darem conta disso.

Falsos mestres, falsos profetas, falsos pastores fiquem alertas, pois vocês não estão mais sozinhos nem podem mais agir livremente como antes, enganando o povo, explorando a lã das ovelhas e dissimulando um amor que não tem poder de transformação.

Lutaremos para mostrar e demonstrar que o senhorio de Cristo liberta da opressão, que transforma corações e nos torna capazes de amar, perdoar e repartir. Conspiraremos contra egos inflamados, desejos descontrolados, lideres exaltados e ovelhas perdidas, para que estas se encontrem, tenham uma identidade cristã, conheçam o Cristo que sara.

Aos que não fazem parte da conspiração, e que muitas vezes se levantam contra ela, peço em amor que leiam a bíblia, verifiquem se nossas atitudes refletem o que ela ensina e, se a resposta for sim, juntem-se a nós, libertem-se do jugo de homens, sejam livres para amar e para ter comunhão com a Igreja sem necessidade de outro sacrifício que não o de Cristo.

Aconselho que busquem conhecer o Evangelho de Cristo. Aconselho também que busquem amizade com pessoas dispostas a viver esse Evangelho, o verdadeiro. Existem muitas espalhadas pelo Brasil e você pode reconhece-las facilmente pelo zelo que demonstram ao Evangelho, pelo amor e entrega, em detrimento de qualquer opressão humana. Elas lutam pela verdade de Cristo, ainda que sob pena de perderem amigos, pois entendem que essa verdade é espada.

Não pensem que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim para fazer que ‘o homem fique contra seu pai, a filha contra sua mãe, a nora contra sua sogra; os inimigos do homem serão os da sua própria família’. "Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará. (Mateus 10:34-39)

A conspiração já começou, ela não vai parar. E apesar de muitos ainda não reconhecerem, o que alimenta ela é o amor.
 
Ruy Cavalcante
 



22 julho, 2013

Amigo, tente me entender


Pensando nas novas amizades que começam a se construir, escrevo hoje um artigo diferente. Trata-se de uma defesa antecipada, pensando em futuros embates, haja vista meu posicionamento em relação a atual postura doutrinária da igreja evangélica.

Faço isso por dois motivos principais: Porque amizade é algo de valor inestimável, e eu verdadeiramente amo cada um deles, ainda que minha forma de amar seja pouco poética :); e em segundo lugar, porque tudo que escrevo é também por amor, mas especialmente por amor a Deus e à sua Palavra e sei que não há nada mais benéfico para alguém, do que ser confrontado pela palavra do Senhor.

Há ainda uma terceira razão. O fato de eu considerar alguns desses novos amigos, especialmente aqueles que fazem parte de congregações neopentecostais, mais vítimas do que culpados pois, ainda que a responsabilidade de viver a verdade do Evangelho de Cristo seja pessoal, elas confiam em pessoas que não retribuem essa confiança com a verdade, infelizmente.

Voltando ao assunto, eu sei que no decorrer da caminhada, teremos atritos doutrinários, uma vez que sou ferrenho opositor do movimento neopentecostal, e por isso gostaria de expor minhas motivações para continuamente insistir em questionar determinados procedimentos dentro destas congregações. Vou começar com um texto bíblico que diz:

"Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganho, antes recebamos o inteiro galardão. Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras" (2 João 1:8-11)

O texto é autoexplicativo: Se prevaricamos em guardar a verdade doutrinária de Cristo, não somos de Deus. Da mesma maneira, se nos omitimos ou se aceitamos a pregação de um falso evangelho, teremos parte com aqueles que o anunciam, e seremos corresponsáveis por suas más obras diante de Deus.

Ora, verdade doutrinária de Cristo é aquilo que Cristo e seus apóstolos ensinaram a respeito dEle mesmo, são as verdades por meio das quais a igreja deve ser pautada. São as diretrizes eternas que devem ser vividas e ensinadas pela igreja. Tudo fora do que foi por eles ensinado deve ser descartado, pois é nossa obrigação perseverar unicamente na doutrina de Cristo. Sola Scriptura!

Corroborando com esse texto, Paulo afirma aos gálatas que:

"Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado!" (Gálatas 1:6-9 – NVI)

Ora, se nem um anjo tem autoridade para ensinar algo além do que já foi ensinado na Bíblia, porque eu deveria considerar os ensinos extra bíblicos de pastores e profetas como extensão da verdade de Cristo?

Não! Eu jamais farei isso, e minha motivação para agir assim é a própria Palavra de Deus, ela me obriga a isso! Aliás, ela obriga a todos que professam o nome de Cristo que ajam dessa maneira, e eu escolhi obedecê-la.

É uma decisão bem difícil de tomar, considerando a situação em que muitas igrejas se encontram, tomadas de falsos divulgadores da verdade, que ensinam doutrinas do seu próprio ventre (Rm 16:18). Mas cabe a cada cristão decidir a quem é mais importante obedecer, se à Palavra de Deus ou à Palavra de homens.

Como disse, não é um caminho fácil, quem se decide apenas por obedecer a Deus enfrentará perseguição em todos os lugares (2 Tm 3:12; Mt 10:34-38), mas é uma decisão tomada por amor. Amor a Deus e amor aos irmãos, para que você os entregue beneficios eternos.

E eu decidi fazer isso pelos meus amigos, pois eu os amo, ainda que eles não entendam.

Deus abençoe a todos.
Ruy Cavalcante