10 abril, 2014

Minha igreja não vive o Evangelho, o que faço?


Muitas pessoas têm me perguntado como agir quando se está descobrindo (ou redescobrindo) as verdades do Evangelho, e percebendo o quanto sua igreja está fora destes princípios. Acredito que esta seja uma indagação de muitos, por isso resolvi escrever este texto como uma resposta, ou um conselho a eles, consciente de que o que falarei a seguir não se trata de uma regra, tampouco um padrão de conduta, mas simplesmente o que a minha (pouca) experiência tem me evidenciado.

Para iniciar de forma bem direta, meu conselho é que não saia da Igreja! Pelo menos por enquanto.

Explico.


Como sabemos, em bora de formas diferentes a Graça de Deus alcança a todos sem distinção, tanto justos quanto injustos. Sabemos também que os ministérios e dons, conforme Efésios 4 e Coríntios 12, são levantados para edificação do corpo, para que um dia todos nós cheguemos à “estatura de Cristo”, ou seja, para que os indivíduos da igreja se tornem cada dia mais parecidos com Jesus, até que Ele volte. Além disso, esta obra de libertação através do Evangelho é realizada exclusivamente por Deus, para fins proveitosos, conforme o mesmo texto de Coríntios.

Por esse e outros motivos, eu tenho convicção de que Deus executa esse esclarecimento de suas verdades, nos confronta com ela, para que, além de sermos por Ele aperfeiçoados, possamos ser instrumentos dEle no local onde estamos, seja instrumento para transformação, ou para juízo (no sentindo de que, uma vez mostrando a verdade e ela não sendo aceita, tornam-se ainda mais indesculpáveis).

Infelizmente, na maioria das vezes os irmãos que passam por este processo de restauração, ou não tem autoridade suficiente na igreja para conseguir uma luta justa, ou se tem, perdem-na assim que iniciam sua batalha em favor do Verdadeiro Evangelho. Uma possível solução, também por convicção, é a seguinte: Testemunho pessoal.

Ora, uma vez confrontados individualmente por estas verdades, cabe a cada um de nós sermos o exemplo daquilo que pregamos. Se falarmos sobre amor, devemos ser os primeiros a amar, se ensinarmos sobre perdão e cobramos os outros a isso, devemos ser os primeiros a perdoar, se combatermos o apego a coisas materiais, devemos ser os primeiros a nos desapegar, se questionarmos doutrinas extra bíblicas devemos ser os primeiros a agir em conformidade com a Palavra, e assim por diante.

Não é nada fácil, mas a possibilidade que estas pessoas têm de ajudar suas respectivas congregações começa justamente em ser o exemplo pra elas, pois embora talvez não consigam “influenciar” a congregação inteira, um testemunho genuinamente cristão, de forma a se tornarem irrepreensíveis, possui efeitos incríveis dentro de uma comunidade cristã.

Claro, não há garantias de que isso "funcionará" sempre, uma vez que, como disse acima, este processo de restauração é obra exclusiva de Deus, mas entendo que seja o único caminho possível, até que se conquiste uma voz dentro da congregação e ai sim, a coisa fica um pouco mais fácil. 

Haverá casos em que “não suportarão a sã doutrina”, nestes casos o único caminho será sair, ou ser expulso, como já vem acontecendo em muitos lugares, inclusive com amigos meus, alguns destes fatos já narrados neste mesmo blog. Mas quando isso acontece, em geral Deus já tem preparado um lugar para eles, deixando claro que o caminho que eles trilharam foi o correto. Quanto a essa questão de abandonar a congregação, creio que Deus esclarecerá o momento de tal coisa acontecer, caso procedam em conformidade com sua Palavra.

Entenda o que tento falar: Compreender a verdade do Evangelho e simplesmente abandonar a congregação sem sequer tentar fazer algo para que seus irmãos também a compreendam, é semelhante a estar numa canoa furada com seus amigos, em alto mar, receber uma grande boia, se agarrar sozinho a ela e abandonar a canoa, deixando seus amigos naufragarem sem sequer esboçar ajuda-los.

No mais, não existe uma regra, um segredo, um pulo do gato... TODOS VOCÊS PASSARÃO POR DECEPÇÕES, resta saber se estão dispostos a isso por conta da fidelidade à Palavra de Deus, pois como ensinou Paulo ao seu discípulo Timóteo:

“E na verdade todos os que querem viver piamente em Cristo Jesus padecerão perseguições”. (2 Tm 3:12)

Conheço casos e mais casos onde estas coisas ocorreram. Alguns conseguiram uma voz e puderam ajudar a congregação, outros tiveram êxito apenas com parte da igreja, outros estão no meio da batalha e outros foram expulsos ou tiveram de bater a poeira dos pés e encontrar um novo lugar para congregar. Eu mesmo já passei por esse processo, duas vezes. Na primeira precisei sair, noutra estou até hoje, sem grandes problemas, pois agora são de fato minha família.

Então é isso, no mais estarei orando por você que estão passando por situação semelhante e no que precisarem estarei sempre a disposição.

Deus abençoe a todos nós. Paz.

Ruy Cavalcante

Fonte da imagem: http://www.jesushoje.com/ 



9 comentários:

  1. Em resumo, não saia sem fazer o que Jesus recomendou, resista e combata o pecado lá dentro, até que te mostrem claramente que o preferem viver na comunidade em vez do que jesus ensinou....aí a decisão cabe a si, o sacode os pés ou sua vida será sacudida pelo pecado da congregação ao qual você se submete e suas consequências....

    ResponderExcluir
  2. Ruy é feio mas o texto foi maravilhoso.

    ResponderExcluir
  3. Ruy é feio mas o texto foi maravilhoso.

    ResponderExcluir
  4. Ruy é feio mas o texto foi maravilhoso.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Jefferson. Não pretendo entrar em detalhes, mas tenho por hábito recordar os santos profetas de Deus que, mesmo em meio a tanta afronta, não abandonaram o povo de Israel, antes, porém, pregaram o arrependimento, respirando a santidade e sendo irrepreensíveis. Como bem disse, preguemos, mas também vivamos o Evangelho para que não nos tornarmos hipócritas. Graça e paz nos sejam multiplicadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, a mudança deve começar em nós, depois pensamos nos outros...

      Excluir
  6. Estou passando exatamente por isso nesse momento .
    Deus me libertou e me fez enxergar a verdade, mas infelizmente sou taxado como crítico, radical, santarrão e até mesmo chamado de oprimido pelos que se dizem amigos meus . Mas seu texto me deu um incentivo à persistir . Muito obrigado, Deus te abençoe !

    ResponderExcluir
  7. Sigamos juntos por Cristo Nuno.. Servindo a Ele não tem como dar errado..

    ResponderExcluir

Somente comentários ofensivos serão moderados. Discordar de mim não é pecado, então discorde à vontade.